Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Mesmo bloqueada, Telex Free atrai investidor e traz nova profissão a MS

Com relação à TelexFree, de acordo com Vianna, a convicção dos divulgadores é tamanha que eles afirmam o desbloqueio ser uma questão de tempo.

Campo Grande News

12 de Agosto de 2013 - 07:54

Ainda bloqueada, por conta da suspeita de trabalhar por meio do sistema “pirâmide financeira”, a empresa TelexFree continua a atrair investidores em Mato Grosso do Sul e ainda “cria” uma nova profissão: a de divulgador do Marketing Multinível, do qual 20 mil campo-grandenses fazem parte e pretendem criar uma associação para regulamentar a profissão no Estado.

“Vários líderes da empresa no Estado estão se articulando para pedir a regulamentação da profissão, já reconhecida em outros países. Eu mesmo possuo uma empresa, porém desenvolvo o Marketing Multinível e com bons resultados”, afirma o empresário Mackson Vianna, 45 anos.

Com relação à TelexFree, de acordo com Vianna, a convicção dos divulgadores é tamanha que eles afirmam o desbloqueio ser uma questão de tempo. “Temos convicções e conclusões palpáveis de que a empresa voltará em breve com as suas atividades. São 50 mil filiados no Estado e 1,5 milhão de pessoas no Brasil que sabem ser arbitrária a ação da juíza do Acre, que determinou o bloqueio temporário”, comenta o empresário Vianna.

Enquanto os recursos são julgados, em um processo que agora corre sob segredo de Justiça, a pedido da própria empresa, os investidores aguardam a volta, mantendo a vida com os empregos que possuíam antes. O terapeuta João Aparecido Maia dos Santos, 44 anos, é um exemplo disso.

Ele investiu 5,6 mil na empresa, em agosto de 2012 e garante já ter recebido ao menos 100 vezes o valor. “Montamos uma associação em Campo Grande, do qual serei presidente, para apontar a representatividade do Marketing Multinível. E todos sabemos que se trata de uma empresa série, idônea, então as pessoas estão apenas aguardando o desfecho”, comenta Maia.

Os bens da empresa foram bloqueados no dia 18 de junho, sendo que mais um recurso será analisado pelos desembargadores no dia 12 de agosto. Com o sigilo aceito, não serão repassadas informações referentes a dados fiscais e bancários.

Pirâmide Financeira: A acusação em cima da TelexFree e seus divulgadores – como são chamados os vendedores dos produtos de telefonia via internet (VoIP) da empresa – seria de que a empresa estaria não estaria pagando pela venda dos produtos, mas sim no recrutamento de novos associados. Atualmente, 30 empresas são investigadas por pirâmide pelo Ministério Público em todo o país.