Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 27 de Outubro de 2020

Sidrolandia

Mesmo com duas renegociações, Enelvo deixou dívida de R$ 730 mil ao Previlândia

A dívida de R$ 576.324,13, foi renegociada em 36 meses, sendo oferecido como garantia um precatório de R$ 1.727.294,04 que a Prefeitura tinha em créditos de ICMS.

Flávio Paes/Marcos Tomé

12 de Novembro de 2012 - 08:32

Foto: Marcos Tomé/Região News

Prefeito Eleito e ex-prefeito Enelvo Iradi Felini (PSDB)

Nos oito anos em que foi prefeito de Sidrolândia, de 1997 a 2004, Enelvo Felini deixou de repassar à em contribuições ao Previlândia de R$ 1.114.371,24, embora tenha obtido da Câmara Municipal autorização para duas renegociações. Do total não recolhido no prazo legal, o Executivo pagou R$ 383.502,35, montante correspondente as 18 parcelas do primeiro reparcelamento, aprovado pelos vereadores em pleno período natalino, no dia 26 de dezembro de 2001.

A dívida de R$ 576.324,13, foi renegociada em 36 meses, sendo oferecido como garantia um precatório de R$ 1.727.294,04 que a prefeitura tinha no Tribunal de Justiça, referente a créditos da Prefeitura referentes a repasses do ICMS retidos pelo Governo do Estado. Em junho de 2004, a seis meses de terminar seu segundo mandato, como só tinha pago 18 parcelas da renegociação autorizada em 2001, o ex-prefeito arrancou da Câmara uma nova autorização para se livrar da dívida com a Previdência dos Servidores.

Desta vez, o prefeito trocou o saldo da dívida por outro precatório de ICMS (crédito do município reconhecido pela Justiça), este no valor de R$ 3. 024.474,29. Como o precatório não foi pago, descontados os R$ 383.502,35 pagos do parcelamento, restou para a administração seguinte, a de Daltro Fiúza que tomou posse em janeiro de 2005, uma dívida com o Previlândia de R$ 730.841,89.