Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 12 de Julho de 2024

Sidrolandia

Militares de Mato Grosso do Sul vão à missão no Haiti

O treinamento segue em ritmo intenso até mês que vem, quando iniciam os embarques

Ana Paula Amaral

20 de Julho de 2010 - 16:55

Militares de Mato Grosso do Sul vão à missão no Haiti
Militares de MS v - Foto: Jo

Mais de cinco centenas de militares de Mato Grosso do Sul recebem treinamento desde fevereiro para uma nova missão humanitária no Haiti. O grupo de 517 irá integrar o 13º Contingente do Batalhão Brasileiro no país, composto por 860 militares – em sua maioria do Comando Militar do Oeste, em MS, e do Comando Militar do Planalto, em Brasília. O treinamento segue em ritmo intenso até mês que vem, quando iniciam os embarques.

A tropa é composta por militares de todo o Estado, incluindo regiões como Coxim, Corumbá e Amambai. Somente da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, em Dourados, serão em torno de 100 militares. Toda a tropa já está concentrada em Campo Grande, onde são feitos os treinamentos finais nos estágios básico e avançado. O embarque será feito em sete etapas e começa no dia 15 de agosto. Os militares seguirão até o Haiti em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Eles irão permanecer no país caribenho por seis meses. O retorno está previsto para meado de janeiro de 2011. De acordo com o tenentecoronel Arthur Márcio Rigotti, chefe da seção de comunicação social do CMO, a primeira tropa de MS foi enviada ao Haiti em 2005. Até agora, segundo ele, não houve nenhuma baixa e o desempenho das tropas foi considerado excelente.

De acordo com o coronel, os treinamentos da tropa começaram em fevereiro nas próprias brigadas onde os militares estão lotados. Desde junho, toda a tropa está concentrada em Campo Grande, onde são feitos treinamentos variados, incluindo o serviço de caráter social e humanitário e também o trabalho militar, de segurança e escolta de autoridades. Ontem, foi mais um dia de treinamentos com simulação da realidade a ser encontrada no Haiti. “Todos sabemos que a tropa irá encontrar uma situação muito difícil e desfavorável naquele país e, para isto, eles precisam estar muito bem preparados”, explica. Segundo ele, embora necessário, o treinamento militar, neste caso, não é o mais importante. “O preparo psicológico destes militares é o principal trabalho a ser feito antes do embarque”, explica.

VOLUNTÁRIOS

O coronel Peres Pimenta, oficial de comunicação social da 4ª Brigada, conta que a tropa é composta por militares voluntários e que o principal critério de seleção foi o preparo psicológico, assim como o perfil de comportamento e conduta do militar. “São detalhes que habilitam ou não um militar a integrar uma missão de paz”, comenta. Segundo ele, toda a tropa passou por vários testes de saúde e preparação psicológica antes da seleção final.

No Haiti, as tropas irão atuar na escolta de autoridades e segurança de instalações e também nos trabalhos humanitários. Também integra a tropa uma companhia de engenharia, que irá oferecer suporte na reconstrução do país após os terremotos de janeiro. A tropa será composta, ainda, por uma equipe médica que irá oferecer assistência à população e também ao próprio batalhão.

O coronel Peres Pimenta explica que a participação de militares nas missões de paz enobrece o trabalho do Exército Brasileiro, além de contribuir para a formação de qualquer profissional. “O militar precisa estar constantemente preparado para qualquer tipo de missão, seja dentro ou fora do território nacional”, diz ele. Durante a missão de paz, as famílias dos militares que compõem a tropa também recebem toda a assistência social e psicológica.