Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 10 de Agosto de 2022

Sidrolandia

Ministro da Justiça passa um dia no Estado para pacificar índios e fazendeiros

Para evitar novos confrontos, o Governo do Estado solicitou, e o Governo Federal, liberou a presença de órgãos de segurança como a Força Nacional e o Exército na região.

Campo Grande News

01 de Setembro de 2015 - 16:45

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, vem a Mato Grosso do Sul nesta quarta-feira discutir o conflito agrário entre índios e fazendeiros na região sul do Estado. A assessoria dele confirmou a vinda, mas informou que a agenda só será fechada no final da tarde, mas em princípio Cardoso não deve ir à região de Antonio João, onde o índio Kaiowá Guarani Semião Fernandes Vilhalva, de 24 anos, foi morto a tiros provavelmente de arma calibre 22, próximo ao córrego que passa pela Fazenda Fronteira, ocupada pelos indígenas.

A partir das 10h a Governadoria passará a ser uma espécia de gabinete do ministro José Eduardo Cardozo. Junto com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), estará reunido com os representantes da Procuradoria-Geral da República, STF (Supremo Tribunal Federal), Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Funai (Fundação Nacional do Índio).

De acordo com a assessoria do Governo do Estado, depois, ambos passam a se reunir separadamente com o arcebispo Dom Dimas Lara Barbosa, representantes dos produtores rurais e lideranças das principais etnias indígenas do Estado. No final da tarde, antes do retorno a Brasília, José Eduardo Cardozo concede entrevista coletiva à imprensa, por volta das 16h30.

A participação do arcebispo Dom Dimas é justificada porque o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) é ligada à igreja católica, e os produtores têm atribuído a essa organização a articulação dos indígenas para as invasões de fazendas no Estado. Para evitar novos confrontos, o Governo do Estado solicitou, e o Governo Federal, liberou a presença de órgãos de segurança como a Força Nacional e o Exército na região.