Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Julho de 2024

Sidrolandia

Ministro deixa posto de tesoureiro do partido de Sarkozy

Apesar disso, foram abertas investigações policiais sobre as suspeitas em torno da bilionária

Agência Estado

13 de Julho de 2010 - 13:05

O ministro do Trabalho da França, Eric Woerth, anunciou hoje que abandonará o posto de tesoureiro da União por um Movimento Popular (UMP), sigla do presidente Nicolas Sarkozy. O motivo da saída é o escândalo em torno de supostas doações ilegais feitas à UMP pela mulher mais rica da França, a herdeira da fortuna da L''Oreal, Liliane Bettencourt. Porém, o ministro não especificou a data em que deixará o cargo.

Woerth disse a repórteres que deixará o posto de tesoureiro após uma reunião do gabinete de governo, em que foi discutida a reforma das leis de previdência francesa. Sarkozy disse ontem que recomendaria ao ministro que deixasse a função de tesoureiro. No entanto, o presidente insistiu que Woerth seguirá como ministro do Trabalho e liderará a reforma na previdência que o governo espera aprovar até o fim de outubro.

Um ex-contador de Liliane Bettencourt acusou Woerth de aceitar 150 mil euros da bilionária durante a campanha presidencial de Sarkozy, em 2007. Woerth e Sarkozy negam qualquer irregularidade e atribuem a acusação a uma campanha de difamação da imprensa e da oposição.

Woerth também foi acusado de conflito de interesses, já que sua mulher trabalhava para a companhia que gerenciava a fortuna de Liliane enquanto ele era ministro do Orçamento, encarregado de combater os que sonegavam impostos. Um relatório do governo inocentou Woerth das acusações de que ele tivesse ajudado Liliane a deixar de pagar impostos. Apesar disso, foram abertas investigações policiais sobre as suspeitas em torno da bilionária. As informações são da Dow Jones.