Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 19 de Julho de 2024

Sidrolandia

Na pressa de acomodar aliados, prefeito faz nomeações para cargos inexistentes

As nomeações foram refeitas. Por cona dos “equívocos” muita gente teve o salário reduzido em até 30%, antes mesmo de receber o primeiro vencimento.

Flávio Paes/Região News

04 de Fevereiro de 2013 - 13:24

Provavelmente na ânsia de promover as nomeações até o dia 18 de janeiro, prazo final fixado no calendário eleitoral da eleição suplementar, o prefeito interino Ilson Peres promoveu algumas nomeações para cargos inexistentes nas secretarias de lotação dos beneficiados. As nomeações foram refeitas. Por cona dos “equívocos”,  muita gente teve o salário reduzido em até 30%, antes mesmo de receber o primeiro vencimento.

Um dos que passou por esta situação foi o jovem Cristhian Ramos de Araújo, filho de Cristiano Salvador Lopes nomeado para uma diretoria da Secretaria Municipal da Juventude, Esportes e Lazer. No último dia 10 de janeiro, ele foi nomeado para o cargo de secretário escolar na Secretaria de Administração, que lhe garantiria um salário de R$ 917,80. Nada demais se não houvesse um detalhe: tal cargo só existe na estrutura da Secretaria de Educação. .Seis dias depois, Cristhian foi nomeado mais uma vez, desta vez para a função de assistente técnico na Administração, com salário de R$ 642,60.

O mesmo ocorreu com Francisco Galdino da Silva (que é da cota de Gevanildo Dias de Oliveira, seu sobrinho).  No dia 14 de janeiro, foi nomeado secretário escolar na Secretaria de Juventude, com salário de R$ 917,00. Dois dias depois, foi nomeado novamente, desta vez, “assistente técnico” da mesma Secretaria, agora fazendo jus a R$ 642,60.  O mesmo ocorreu com a jovem Andressa Ferreira de Abreu, indicado para secretária escolar num primeiro momento, desde o dia 16, seu cargo alterado, para assistente técnica. Prejuízo no seu orçamento, que caiu para menos de um salário mínimo (de R$ 917,80 para R$ 642,60).

Quem também mudou de cargos antes de receber o salário foi a advogada Diana Valeria Fontana Stefanello (filha de Solangi Stefanello).  Ela foi nomeada inicialmente para um cargo de gerência, o que lhe garantia salário de R$ 3.835,40. Dois depois passou a diretora de departamento, salário de R$ 3.213,00.