Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 20 de Junho de 2021

Sidrolandia

Nota oficial da CUT/MS sobre a greve do Frígorifico Beef Nobre e prisão de sindicalistas

No local também havia segurança feita por Policiais Civis apaisana com a intenção de coibir todo e qualquer tipo de movimento e manifestação.

Famasul

03 de Setembro de 2013 - 16:00

O movimento social e sindical de Mato Grosso do Sul vem por meio desta denunciar a impunidade e o abuso de poder do Estado e da Secretaria de Justiça e de Segurança Pública, que permitiram que forças policiais do Estado intervissem, sem mandado de segurança, na greve dos trabalhadores do Frígorifico Beef Nobre, localizado no Jardim Carioca, em Campo Grande-MS, na tarde desta segunda-feira (2).

Durante a desastrosa ação policial houve trabalhadores feridos e detidos, juntamente com sindicalistas e dirigentes da CUT/MS (Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul). Na ocasião os membros da direção da CUT/MS, Ricardo Bueno e Alexandre Júnior Costa, que também são respectivamente presidente do Conselho Estadual de Saúde e presidente do Sintss (Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social de Mato Grosso do Sul), foram agredidos e detidos impunemente.

Os dois sindicalistas e mais alguns trabalhadores foram levados de camburão para o 1 DEPAC (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), na Rua Padre João Cripa, por estarem exercendo o seu direito de lutar por melhores condições de trabalho e valorização profissional.

Não vamos aceitar de braços cruzados que o uso da força policial seja utilizado para coibir os nossos direitos e muito menos que companheiros de luta sofram a humilhação de apanhar e serem presos injustamente. Nossa voz não se cala! Queremos e vamos batalhar para que a justiça seja feita!

A greve é um direito constitucional, ferramenta da luta por melhores condições de trabalho e jamais pode ser tratada como ilegal ou imoral, já que ações como essa são extremas, quando o dialogo com o patrão acaba e as condições de trabalho são insustentáveis.

Também denunciamos que a Polícia Militar realizou escolta particular dos trabalhadores que vieram de outros municípios do Estado, que foram trazidos para “furar” a greve, executar o trabalho dos que estavam paralisados, ressaltando que esta ação é ilegal, primeiro por causa do uso da força estatal atuando em beneficio do bem privado e segundo porque a greve é um direito constitucional que deve ser respeitado.

No local também havia segurança feita por Policiais Civis apaisana com a intenção de coibir todo e qualquer tipo de movimento e manifestação.

Atualmente o Frígorifico Beef Nobre emprega cerca de 430 trabalhadores em situação de risco e sem valorização profissional e foi graças à ação sindical do Sindicato da Alimentação de Campo Grande, da CUT/MS e de outros movimentos sindicais do estado, que as negociações avançaram e conquistas como a melhoria do salário, do vale alimentação e da carga horária, foram obtidas, após reunião entre o Ministério Público do Trabalho, o movimento sindical e o patronal, na manhã desta terça-feira (3).

A CUT e os demais movimentos sociais e sindicais reforçam que toda a manifestação estava sendo realizada fora dos portões da empresa, que em nenhum momento houve nenhum tipo de depredação do patrimônio privado, como foi afirmado por alguns policiais, existem gravações, fotos, que comprovam que as quatro pessoas que foram detidas estavam apenas protestando, sem agredir ou ofender ninguém, muitos menos a policia.

Não existe justificativa para o uso descabido da força policial, com um número de viaturas e contingente bem acima do necessário, a não ser o capital que sempre prevalece quando o assunto é a luta pelos direitos dos trabalhadores deste país.

Reforçamos a nossa indignação, revolta e continuaremos firmes na luta não só pela honra dos nossos companheiros sindicalistas e trabalhadores que foram detidos injustamente, como pelos direitos dos trabalhadores do Frigorífico Beef Nobre, que conseguiram ao final da batalha fechar um acordo, mas que merecem mais respeito e dignidade para continuarem contribuindo com o desenvolvimento do Brasil.