Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 17 de Maio de 2022

Sidrolandia

Novo centro de reabilitação é caminho entre o hospital e a volta para casa

O diretor administrativo do São Julião, Amilton Alvarenga, disse que a intenção do centro é ser um modelo diferenciado de reabilitação. Serão tratamos casos de AVC, por exemplo.

Correio do Estado

04 de Novembro de 2015 - 14:00

Inaugurado nesta quarta-feira (4), o Centro de Cuidados Integrados (CCI) do Hospital São Julião, que funcionará no Pavilhão Dom Aldo Rabino, é considerado como um projeto inovador e modelo a ser seguido quando o assunto é reabilitação de paciente. Com trabalho de uma equipe multidisciplinar, o centro é considerado como o melhor caminho entre o hospital e a volta para casa.

A estrutura de 1,2 mil metros quadrados terá capacidade de 22 leitos, mas enquanto convênio com o Ministério da Saúde não é fachado, 12 pacientes serão atendidos ao mesmo tempo.

O diretor administrativo do São Julião, Amilton Alvarenga, disse que a intenção do centro é ser um modelo diferenciado de reabilitação. Serão tratamos casos de AVC, por exemplo, quando o paciente precisa reaprender a rotina para voltar para casa.

“O protocolo será aplicado nos pacientes a cada 15 dias e haverá reavaliação. A expectativa é que em 60 dias o paciente tenha alta e melhora no quadro”, disse o diretor do hospital.

Os pacientes serão atendidos por duas equipes que contarão com médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, psicólogos, dentistas, nutricionistas e farmacêuticos.

O secretário de Saúde do Estado, Nelson Tavares, explica que o centro será indicado para casos de ortopedia, quando o paciente não consegue andar e em casos quando o paciente fica entubado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) e precisa reaprender a deglutir.

“É o caminho entre o hospital e a casa para os pacientes não voltarem sem condições de se recuperar”, disse.

Na cerimônia de inauguração do centro, na manhã de hoje, o Governo do Estado repassou R$ 825 mil para o hospital. No entanto, por mês, o centro custará R$ 200 mil e o valor será dividido entre o Governo Federal, Estadual e o município.

SOLIDARIEDADE

Colaboradora do hospital, Beatriz Dobashi afirmou que o hospital tem a solidariedade como foco e que o centro inaugurado hoje integra atividades desenvolvidas em rede com outras duas cidades, Franca (SP) e Rebouças (PR).

Batizar o pavilhão de Dom Aldo Rabino foi uma forma encontrada pelo hospital para agradecer a dedicação de Aldo ao hospital. Ele faleceu em agosto desde ano.

A primeira visita de Aldo em Campo Grande foi junto da Missão Salesiana de Mato Grosso, quando eles tinham a Bolívia como destino, mas acabaram se hospedando em Campo Grande e conhecendo o local que tratava de pessoas com hanseníase, onde hoje é o São Julião.

A última visita de Dom Aldo Rabino a Campo Grande ocorreu em 2008.