Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 8 de Maio de 2021

Sidrolandia

Ocupação da reitoria divide estudantes da UFGD

Ninguém entrou no local e com isso o expediente foi interrompido.

Dourados Agora

12 de Novembro de 2016 - 10:10

O primeiro dia de ocupação da reitoria da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) foi marcado por tensão. Durante a manhã e a tarde de ontem o prédio foi lacrado por um grupo de aproximadamente 15 estudantes. Ninguém entrou no local e com isso o expediente foi interrompido. A noite o clima esquentou com a chegada de cerca de 200 estudantes contrários a ocupação da reitoria, que prometem retornar na noite desta sexta-feira (11).

Intitulado "Ocupa UFGD", o grupo que permanece na reitoria é considerado radical e não tem permitido a entrada de pessoas que não sejam do movimento. Eles se posicionam por meio de rede social no Facebook e marcaram uma assembleia para as 23h desta quinta. Isso fez com que comunidade estudantil que não faz parte do grupo fosse para o local participar do encontro. Como foram barrados, houve discussão e gritaria do lado de fora da reitoria.

Com medo de confusão, professores, em minoria, tentaram acalmar os ânimos dos estudantes, porém do lado de fora também havia um grupo radial e que ameaçava pular o muro. A tentativa só foi abordada porque um dos alunos quebrou uma parte do muro ao fazer a escalada. Para não responderem por dano ao patrimônio, a turma do "deixa disso" entrou em ação, contudo dezenas de alunos permaneceram em vigília do lado de fora até por volta das 4h da madrugada.

Como forma de intimidar quem ocupava a reitoria, a energia foi interrompida por várias vezes, já que o padrão é de fácil acesso para quem está do lado de fora. Somente depois de muita discussão foi liberada a entrada de representantes de diferentes cursos para conversar com o grupo "Ocupa UFGD". A reunião ocorreu na quadra. O reitor em exercício da UFGD, Marcio Eduardo de Barros, se comunicou através de nota que a universidade não solicitou reintegração de posse, que aguarda recomendação do Ministério da Educação de como agir, mas que acompanha a situação com a segurança de todas as pessoas envolvidas.