Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 5 de Maio de 2021

Sidrolandia

ONG apresenta em almoço beneficente Projeto do abrigo para idosos

O projeto passa pelo crivo da assistência social e do Ministério Público para se habilitar ao co-financiamento SUAS (Sistema Único de Assistência Social).

Flávio Paes/Região News

12 de Novembro de 2016 - 09:05

Será apresentado neste domingo em almoço beneficente na Chácara São Francisco, o projeto do arquiteto Luiz Antonio Juriati para o abrigo de idosos que o Instituto Longa Permanência (uma Organização Não-Governamental) planeja construir em Sidrolândia, numa área de 1,1 hectares nos Altos da Figueira, doada pela Prefeitura no início do ano. O almoço de manhã, além de angariar fundo para pagar o projeto, será oportunidade dos presentes (foram vendidos 500 convites) tomarem conhecimento da iniciativa e darem sua contribuição.

Como a obra terá um alto custo (pode chegar a R$ 800 mil) e a entidade dependerá da captação de recursos para viabilizá-lo a construção será modulada. A intenção é dispor de uma estrutura (com aproximadamente 400 metros quadrados de área construída) capaz de atender inicialmente 25 idosos, inclusive os de grau 3, aqueles acamados, muitos que precisam de sonda para se alimentarem.

Segundo a presidente da Organização Não-Governamental, Tânia Nogueira, a ideia dela e do marido, o veterinário Adir Xavier, de se engajar nesta luta pela construção de um abrigo para a população da terceira idade, nasceu da vivência do casal na capelania do Hospital Elmiria Silvério Barbosa, onde testemunham situações dramáticas de pacientes idosos. Muitos são abandonados pelas famílias e quando recebe alta, não tem para onde ir. 

“Sabemos que o desafio será grande, mas contamos com ajuda da sociedade e do poder público para tornar este projeto realidade”. A concepção do abrigo “não é o de um depósito d e velho”. Mas fazer um local onde sejam acolhidos, cuidados e possam desenvolver atividades como o cultivo de hortas hidropônicas (adaptada para cadeirantes) e cultivo de plantas medicinais.

O projeto passa pelo crivo da assistência social e do Ministério Público para se habilitar ao co-financiamento SUAS (Sistema Único de Assistência Social). “Já temos até fila de espera, mas vamos ser cuidadosos na escolha dos idosos que serão acolhidos”. A prioridade será para aqueles que de fato precisam.

O casal tem experiência em trabalhos filantrópicos. Em Anastácio, onde moravam antes de se mudar para Sidrolândia, Adir Xavier (funcionário concursado do Ministério da Agricultura) fundou uma entidade voltada para o atendimento de crianças carentes, que continua funcionando normalmente.