Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 21 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Para acabar com jogo de empurra, universitários querem colocar frente a frente prefeito e dono da Vacaria

O empresário garantiu que se o prefeito assumir o compromisso de pagamento do transporte nos últimos dois meses do ano, não terá nenhum problema em continuar o serviço.

Flávio Paes/Região News

24 de Outubro de 2013 - 14:10

Foto: Marcos Tomé/Região News

Para acabar com jogo de empurra, universitários querem colocar frente a frente prefeito e dono da Vacaria

Universitários durante reunião com o empresário Moacyr Almeida

Diante do desencontro de versões sobre de quem partiu a ordem de suspender o transporte universitário gratuito a partir de quarta-feira, dia 30, os estudantes querem colocar frente a frente o prefeito Ari Basso e o empresário Moacyr Almeida, dono da Vacaria Transporte, para tirar uma prova dos “nove” e esclarecer a questão pondo fim a este jogo de empurra sobre a paternidade da interrupção do serviço.

Eles querem lotar a Câmara Municipal na sessão de terça-feira (29/10), quando pretendem buscar o apoio dos vereadores para esclarecer de vez a situação e buscar uma alternativa para garantir a continuidade do transporte pelo menos até o término deste ano letivo. Um grupo de estudantes esteve pela manhã na Prefeitura, onde foi recebido pela secretária de Administração, Sonia Dal Paz, porque o prefeito não está na cidade.

Ela garantiu que não recebeu nenhuma determinação do prefeito de suspender o transporte a partir da próxima quinta-feira. A secretária chegou a definir o anúncio da suspensão do transporte como “factóide” e que em nenhum momento da conversa que o prefeito teve na quarta-feira com Moacyr Almeida  ele mencionou  esta possibilidade.

Segundo a secretária, Ari Basso teria apenas admitido ao empresário as dificuldades financeiras do município para pagar o serviço nos meses de novembro e dezembro, quando as despesas com pessoal  dobram com o pagamento do 13º salario. Por esta versão, a responsabilidade de paralisar o transporte universitário seria exclusivamente do empresário Moacyr Almeida.

Da prefeitura os estudantes foram para a sede da Vacaria Transporte, onde retransmitiram ao empresário o  que ouviram da secretária de Administração. Moacyr reagiu à insinuação com palavras duras,  se sentindo vítima do que ele chamou “de molecagem”. “Desafio o prefeito a negar, olhando nos meus olhos,  que em nossa conversa de quarta-feira, não me disse que eram de 95% as chances da minha empresa não receber os meses de novembro e dezembro”, disparou o empresário  que sugeriu a “acareação” com o chefe do Executivo Municipal para por fim a qualquer dúvida.

O empresário garantiu que se o prefeito, com o testemunho dos estudantes, assumir o compromisso de pagamento do transporte universitário  nos últimos dois meses do ano, não terá nenhum problema em continuar o serviço.  Ele reafirmou que  se a prefeitura não pagar a conta, sua empresa não vai arcar com esta fatura.

“Respeito seu Ari. Acho-o um homem cumpridor de seu dever, mas confesso que não estou entendo mais nada. Isso virou uma bagunça aliada a onde do disque-me-disque. Somos homens sérios e não podemos deixar a chegar ao ponto de pairar sobre nós a desconfiança daquilo que se é acordado”, emendou o empresário aos jovens.