Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 19 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Para reduzir ansiedade, jovem de MS faz terapia três horas antes do Enem

Candidata diz que nervosismo a atrapalhou durante a prova em 2012. Consulta antes do exame é tática para ficar mais calma.

G1 MS

26 de Outubro de 2013 - 13:54

Três horas antes do primeiro dia de avaliações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), neste sábado (26), a estudante Juliana Dutra, 18 anos, estava diante da psicóloga para uma última consulta antes de seguir para o local onde fará a prova. A candidata conta ao G1 que a terapia é tática para conseguir responder às questões com mais calma.

"Sou muito ansiosa por natureza, em qualquer situação”, afirma a jovem. Ela conta que em 2012 ficou muito nervosa quando começou a fazer o exame e acredita que isso possa ter prejudicado o desempenho, visto que havia se preparado.

Neste ano, ela quer corrigir o problema e ter uma chance de entrar no curso de nutrição da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). “Apesar de estar preparada, em termos de conteúdo, a questão emocional pode ser um fator negativo novamente”, conta.

Rotina
Juliana é da cidade de Sidrolândia, mas mora em Campo Grande, onde fez o cursinho preparatório para o Enem. Como a distância entre as duas cidades é de 70km, ela visita a família aos finais de semana e aproveitou, segundo ela há cerca de três semanas, para começar sessões com uma psicóloga no município, onde também prestará o exame.

A estudante conta que a própria pressão de uma rotina de estudos que preenche praticamente todo seu dia também é eliminada durante a consulta. “Você desabafa o que está sentido. Às vezes eu fico com raiva, estressada achando que não vou passar e ela dá dicas de como eu posso tirar da mente a tensão”, relata.

Ela resolveu por conta própria marcar um último encontro com a profissional antes da prova e espera ter bastante calma para ler atentamente cada pergunta e conseguir o maior número possível de pontos para ter chances de entrar na graduação. Ela pretende sair do consultório, ir para casa almoçar e seguir direto para o local de prova.

Juliana explica que a ansiedade aumenta por conta do Enem, mas sempre existiu em sua vida. “É algo automático”, relata. “Eu fico muito nervosa e começa a me dar um branco, não me lembro de nada. Tem coisas que eu sei, mas não consigo lembrar”, afirma a jovem. Ela conta que ao sair do local de prova, menos tensa, tende a reler as questões e recordar, tardiamente, alguns dos conteúdos que antes não havia conseguido puxar na memória. “A psicóloga ajuda a aliviar”.