Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 8 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Parlamentares pressionam governo a facilitar importação de agrotóxicos

A proibição foi anunciada pelo Ibama em julho do ano passado e depois adiada temporariamente. Os produtores reclamam a falta de produtos alternativos aos proibidos pelo Ibama.

Canal Rural

05 de Setembro de 2013 - 13:39

Parlamentares ruralistas pressionam o governo federal a facilitar a importação de agrotóxicos para combater as pragas nas lavouras de todo o país.  O pedido foi feito nesta quarta, dia 4, à ministra-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann, que prometeu uma resposta em cinco dias.

Na pauta do encontro da ministra Gleisi Hoffmann com a bancada ruralista estava o pedido de medida emergencial para o uso do benzoato de emamectina, que combate pragas como a helicoverpa.

De acordo com os parlamentares, a ministra prometeu para a semana que vem a publicação de decreto presidencial que libera o uso da substância, proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2007.

O presidente da FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária), deputado federal Luis Carlos Heinze (PP/RS), explicou que o decreto é importante no momento para o controle da lagarta helicoverpa armígera e que, no futuro, pode ser utilizado para outras pragas.

Os parlamentares também aproveitaram a reunião para reivindicar a liberação de novos produtos químicos para controle da ferrugem da soja.

Heinze alertou que, às vésperas do início do plantio, os produtores têm apenas uma alternativa de controle da ferrugem, enquanto os novos produtos aguardam aprovação do Ibama e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Os deputados também pediram uma solução para a proibição da pulverização aérea das lavouras com defensivos que contenham os princípios ativos imidacloprido, clotianidina, fipronil e tiametoxam, por causa do risco às populações de abelhas.

A proibição foi anunciada pelo Ibama em julho do ano passado e depois adiada temporariamente. Os produtores reclamam a falta de produtos alternativos aos proibidos pelo Ibama.