Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Passeata cobra punição de acusados de matar vereador há quase 3 anos

Ele foi morto a tiros em no dia 26 de outubro de 2010 na Avenida Afonso Pena, no bairro Amambaí, na Capital

Campo Grande News

27 de Julho de 2013 - 11:55

Ao som do hino nacional e com gritos de Justiça, cerca de 150 moradores de Alcinópolis, a 402 quilômetros da Capital, fizeram uma passeata nas ruas do Centro de Campo Grande, na manhã de hoje (27), para cobrar a punição dos acusados de matar o vereador Carlos Antonio Carneiro. Ele foi morto a tiros em no dia 26 de outubro de 2010 na Avenida Afonso Pena, no bairro Amambaí, na Capital. Eles cobravam agilidade no julgamento dos criminosos.

Pai do vereador e fundador da cidade, Alcino Fernandes Carneiro, 68 anos, conta que parentes e amigos da família foram mobilizados para vir a Campo Grande e chamar atenção das autoridades.

“Nós queremos Justiça, já se passaram quase 3 anos e só três pessoas foram julgadas. O mandante e outros três estão com o processo parado desde outubro do ano passado. Acreditamos que o processo irá andar e os responsáveis serão condenados”, afirma o pai de Carlos.

A concentração da passeata ocorreu na Praça do Rádio Clube às 7h30. Com faixas, bandeiras e panfletos, os moradores percorreram as ruas do Centro e encerraram o ato na Rua Barão do Rio Branco. Policiais militares e agentes da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) acompanharam a passeata e o trânsito chegou a ficar lento em algumas ruas da região.

No fim da passeata, os parentes e políticos da cidade discursaram e cobraram rapidez para o julgamento do caso. Para o atual presidente da Câmara Municipal de Alcinópolis, Aloísio Pereira (PMDB), o ato não seria necessário se o caso tivesse um desfecho breve. “É um crime repugnante e não podemos ficar refém dessas pessoas. Pedimos Justiça pra que isso não volte a acontecer”, afirma Aloísio.

O caso - Carlos Antônio foi morto a tiros em frente a um hotel na avenida Afonso Pena, em Campo Grande, em outubro de 2010. Irineu Maciel e Valdemir Vansan foram presos em seguida por policiais civis que passavam pelo local.

Julgados em fevereiro do ano passado, os dois foram condenados a 19 anos de prisão pelo crime. Irineu foi condenado por executar o vereador e Valdemir intermediou o crime. Aparecido Souza Fernandes, que deu carona a Irineu até o local do assassinato, foi absolvido em julgamento realizado no fim de setembro do ano passado.

A suspeita é que o crime tenha motivação política. Carlos Antônio era presidente da Câmara de Vereadores e em seu carro havia documentos da Prefeitura. O prefeito do município na época, Manonel Nunes da Silva (PR), e outros três vereadores, são apontados como mandantes e respondem à ação penal.