Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Pecuarista é indiciado por homofobia após agredir e arrastar filho de 16 anos

O delegado da 1ª Delegacia de Polícia, Paulo Henrique Rosseto de Souza, indiciou o produtor rural por homofobia e tortura.

Campo Grande News

01 de Agosto de 2013 - 10:21

Um pai foi indiciado pelo crime de homofobia após agredir e arrastar o filho, um adolescente de 16 anos, em Três Lagoas, a 331 quilômetros da Capital. O caso foi denunciado pela mãe do menino.

Conforme a Polícia Civil, na madrugada de segunda-feira (29), o pecuarista reagiu com violência ao descobrir que o filho é homossexual. Ele o agrediu e tentou tranca-lo em um quarto sem energia elétrica.

“"Ele bateu na cara do menino, derrubou ele no chão, montou em cima e continuou dando socos e tapas em seu rosto e humilhando, dizendo que ‘gay’ tem que apanhar mesmo, que é lixo, vagabundo”, relatou a mãe da vítima, conforme informações da Polícia Civil.

Os irmãos e a mãe do adolescente o levaram para a casa da avó. No entanto, o pai foi atrás e pegou o adolescente de novo. Ele o jogou no chão e falava que ele estava com o demônio no corpo. "Bateu a cabeça do menino no chão e dizia que estava endemoniado e que iria tirar o capeta dele na unha”, contou a mãe.

Após as agressões o adolescente foi levado para o hospital pelo próprio pai, que no caminho ainda ameaçou matar o filho caso ele não mude a opção sexual. Segundo testemunhas o pecuarista amarrou uma corda na perna do garoto e ameaçou jogar ele para fora do carro e arrastar na rua.

O delegado da 1ª Delegacia de Polícia, Paulo Henrique Rosseto de Souza, indiciou o produtor rural por homofobia e tortura. O caso foi atendido pelo Conselho Tutelar. A mulher pediu a adoção de medidas protetivas porque está com medo do marido.

O delegado Paulo Rosseto explicou que o crime é muito grave e que a Polícia Civil tomará todas as medidas necessárias para reprimir qualquer forma de homofobia. "Ninguém pode ser discriminado por sua opção sexual, a qual deve ser respeitada por todos”, conclui o delegado.