Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 24 de Julho de 2024

Sidrolandia

"Pega é coisa de babaca", diz irmão de Rafael Mascarenhas

Jovem morreu ao ser atropelado quando andava de skate em túnel. Filho caçula de Cissa Guimarães está sendo velado nesta quarta.

G1

21 de Julho de 2010 - 14:30

Um dos irmãos de Rafael Mascarenhas, Thomaz, filho mais velho da atriz Cissa Guimarães, criticou os responsáveis pelo atropelamento e morte do irmão, durante o velório, nesta quarta-feira (21) no Caju, Zona Portuária do Rio. “A pessoa que causou isso, mesmo sem querer, eu espero que pague por isso. Acho que fazer pega é um absurdo, é uma idiotice, uma infantilidade, uma estupidez. Pega é coisa de babaca. Se gosta de velocidade, vai correr na lagoa, vai fazer a maratona, que é muito mais legal”, afirmou. 

Demonstrando força, o irmão mais velho de Rafael disse que agora é preciso ter paciência e apoio de todos. “É triste, mas acho que a vida não é feita só de coisas maravilhosas. Meu irmão era uma pessoa linda. Pra mim ele não morreu. O espírito dele está por aí”. Thoma

Ainda muito abalados, os dois amigos que estavam andando de skate com Rafael no momento acidente lembraram do jovem, mas não quiseram dar detalhes sobre o momento exato do atropelamento. João Pedro Gonçalves, de 19 anos, contou que antes de sair para andar de skate, eles ensaiaram com a banda. “Na última música que a gente tocou, eu olhei pra ele (Rafael), ele riu pra mim, eu ri pra ele”, lembrou João, que emocionado não consegui terminar a frase. 

Rafael Mascarenhas morreu ao ser atropelado quando andava de skate no Túnel Acústico, na Gávea, Zona Sul do Rio. O túnel estava interditado para carros. Um amigo que estava com Rafael afirmou que o motorista que atropelou Rafael estava fazendo um “pega” com outro carro. O motorista, que confessou ter atropelado o jovem, prestou depoimento na delegacia na noite de terça-feira, mas negou que estivesse fazendo pega. Um amigo dele que estava em outro carro dentro do túnel e prestou depoimento como testemunha também negou o pega. A polícia ainda investiga a hipótese.

Cissa Guimarães e filhos velório rafael mascarenhas
Thomaz Velho, irmão de Rafael, e João Velho,
chegando com Cissa Guimarães ao  velório

“Acho que ocorreram alguns erros da segurança pública de não ter fiscalização, de não ter uma grade separando um túnel do outro”. Thomaz, porém, assumiu que Rafael não agiu corretamente ao andar de skate no túnel. “Eu sei que meu irmão estava fazendo uma coisa que não era certa”.

Segundo Thomaz, amigos pretendem prestar uma homenagem ao jovem, mas ainda não há nada definido. “Pode ter desde um encontro na mesa de bar, até um tributo no Circo Voador”.

Velório

A atriz Cissa Guimarães chegou pouco depois das 11h desta quarta-feira (21) no Cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio, para o velório de seu filho caçula. Ela estava amparada por seu filho João Velho.

Gracindo Júnior lamentou a morte do jovem ao chegar no velório. "Esse menino era um anjo. É lamentável. Sem dúvida era um exemplo de menino de uma nova geração que pode fazer deste planeta um lugar melhor. Que sirva de exemplo pra gente. Não tenho muito mais o que falar. A gente cada vez mais é menos cidadão. A gente não se respeita, nunca está atento ao outro.É uma lição para todos nós".

Maite Miguel e Claudia velório Rafael Mascarenhas
Miguel Falabella, Claudia Gimenez e Maitê Proença
no velório do filho de Cissa Guimarães

Os atores Miguel Falabella e Cláudia Gimenez chegaram juntos ao velório. "A única coisa que eu falei pra ela (Cissa) foi que ela tem que ser forte, porque ela é a única que pode contar a historinha dele, embora seja curta", disse Gimenez.

Falabella lembrou os momentos em que o menino frequentava os estúdios de gravação do 'Vídeo Show', que ele apresentava ao lado de Cissa.

"Tá todo mundo devastado. Eu vi esse menino crescendo no Vídeo Show. A gente chamava ele de pãozinho de queijo. É um tsunami. Não sobrou nada. Para ela então...uma mãe perder um filho na flor da idade, que é uma perspectiva de vida. Ela agora tem que ter os amigos ao lado. Vamos ampará-la e, de alguma forma,driblar a dor e seguir em frente."

Entre as coroas de flores em homenagem ao jovem há uma da apresentadora Ana Maria Braga, uma da produção do Domingão do Faustão, outra do próprio Fausto Silva, uma do diretor Roberto Talma e uma da equipe do Torpedão.

Bruno Mazzeo, Eliane Giardini e Adriana Esteves chegaram ao local sem falar com a imprensa.

"Foi uma vida de 18 anos interrompida de uma maneira horrorosa. É um susto e a gente lembra de como é frágil a vida", disse a atriz Aline Fanjur, que teve um papel na novela "Viver a Vida".

A atriz Ana Rosa também chegou cedo ao cemitério. “Não sei nem o que dizer numa hora dessas. Vim apenas prestar a minha solidariedade”, disse ela, muito abalada.

Motorista confessa atropelamento
O motorista que confessou ter atropelado Rafael Mascarenhas foi liberado no fim da noite desta terça-feira (20) após prestar depoimento na 15ª DP (Gávea).

Montagem Hélio de la Peña no enterro filho Cissa
Hélio de La Peña chega ao velório. Boninho e Ana
Furtado também compareceram

Segundo a delegada Bárbara Lomba, titular da delegacia, o motorista será indiciado provavelmente por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Ela explicou que o inquérito ainda não foi encerrado e que a polícia investiga se o motorista estava em velocidade acima do permitido.

"Em princípio não se recomenda, não se impõe que se peça a prisão cautelar desse motorista", disse Bárbara Lomba.

A delegada disse, ainda, que vai apurar com rigor a conduta dos policiais militares que abordaram o motorista que atropelou Rafael. De acordo com Bárbara Lomba,
imagens de câmeras de monitoramento do trânsito mostram uma viatura da PM próxima ao carro que atropelou o estudante, na saída do Túnel Acústico, na Zona Sul do Rio.

Montagem Adriana Esteves enterro filho Cissa
A cantora Zélia Duncan chega ao velório. A atriz
Adriana Esteves não falou com a imprensa

PM abordou motorista que atropelou filho de Cissa
De acordo com a delegada Bárbara Lomba, durante o depoimento, o motorista contou que foi abordado por policiais militares, ainda na madrugada, minutos após o atropelamento. O estudante de 25 anos revelou à polícia que os PMs revistaram seus documentos e o orientaram a ir à 15ª DP para registrar o caso.

No entanto, o rapaz alegou que preferiu ligar para o pai, que teria pedido que ele só fosse à delegacia mais tarde, e na companhia de um advogado.