Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Peres leva à direção da Vivo necessidade de garantir sinal de celular nos assentamentos

A região do Piqui concentra 20 assentamentos, com uma população de 16.396 habitantes, onde o celular tem muitas zonas de sombra, ou seja, onde simplesmente, não funciona.

Flávio Paes/Região News

29 de Setembro de 2013 - 21:49

O presidente da Câmara Municipal, Ilson Peres,  foi a Campo Grande e se reuniu com diretores e técnicos da Vivo para defender a necessidade de investimentos da operadora para garantir sinal de celular na zona rural de Sidrolândia, que concentra mais de 30% da população do município. A sugestão de Peres é a instalação de uma antena no Capão Bonito ou perto do Posto Piqui para garantir o funcionamento do celular nestas regiões. 

Estas áreas do município concentram 20 assentamentos, com uma população de 16.396 habitantes, onde  o celular tem muitas zonas de sombra, ou seja, onde simplesmente não funciona.  “As famílias do Valinho e do Barra Nova, por exemplo, não tem como se comunicar por celular”, explicou Peres ao diretor da Vivo, Heriberto Liberatti. Ele virá a Sidrolândia para visitar a região e identificar as alternativas para localização da antena.

Segundo a secretária Municipal de Saúde, Leila Couto, que acompanhou Peres na visita  a Vivo, a falta de telefonia na zona rural está comprometendo o funcionamento do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). “Temos uma ambulância de apoio na sede do Eldorado que transporta  os pacientes para serem atendidos na cidade.  Esta ambulância só pode sair com autorização que é dada por telefone da central em Campo Grande. Muitas vezes, o sinal desaparece e a comunicação fica impossível”, explica a secretária.

Na avaliação de Peres, é urgente a necessidade  de garantir o sinal do celular nesta que é a região mais populosa da zona rural de Sidrolândia. “No Capão Seco, está sendo construído um posto de saúde e o Estado planeja uma escola de 13 salas de aula. Além de vários assentamentos, há muitas fazendas com aviários, produção de soja e cana”, informa.