Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Polícia acredita que incêndio não foi provocado intencionalmente

Segundo o delegado Lupércio Degerone, as autoridades estão próximas da conclusão de que o incêndio não foi intencional.

Dourados Agora

27 de Agosto de 2013 - 15:29

A Polícia Civil de Dourados está em estágio avançado nas investigações sobre as causas do incêndio ocorrido no último dia 22, na rodovia BR-463, próximo ao trevo que dá acesso ao município de Laguna Carapã. Segundo o delegado Lupércio Degerone, as autoridades estão próximas da conclusão de que o incêndio não foi intencional.

“Foi crime sim, mas culposo, pois acredito que o fogo tenha se originado por irresponsabilidade ou negligência. Nas informações colhidas por enquanto, podemos afirmar que a fumaça surgiu inicialmente do lado esquerdo para quem trafega no sentido Ponta Porã/Dourados. Mas ainda há alguns detalhes que precisam de explicação”, disse.

De acordo com o delegado, as fontes ouvidas até agora não foram precisas quanto ao primeiro foco. “Estou aguardando um laudo do perito que deve ser concluído em dez dias. Feito isso, teremos como apontar as causas do incêndio, até porque, ainda há certa incoerência nos relatos dados por algumas pessoas”, explicou.

Lupércio optou por não fornecer mais detalhes para que os trabalhos investigativos não fossem comprometidos, mas adiantou que em breve funcionários de uma usina da região que trabalhavam no local do incêndio serão ouvidos, assim como motoristas dos caminhões pipa, policiais e outros indivíduos que presenciaram o fato.

O FOGO

O incêndio teve início durante a manhã do último dia 22, no canavial de uma usina sucroalcooleira que funciona às margens da BR-463, e levou cerca de oito horas para ser controlado. As chamas tiveram tempo suficiente para causar enorme estrago na região, provocando a morte de um andarilho identificado como Josias, que acabou carbonizado ao lado do cachorro.

Várias famílias de indígenas desaldeados que moravam às margens da BR também perderam praticamente tudo, pois os barracos foram destruídos, assim como roupas, móveis e outros pertences. A maioria deles conseguiu salvar apenas a própria vida. Ainda de acordo com o que foi apurado pelas autoridades, pelo menos 40 cabeças de gado morreram.