Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 30 de Novembro de 2020

Sidrolandia

Policiais Militares vão garantir segurança na eleição da Fetricom, amanhã na Capital

As ameaças são de agressão física e até de sequestro a delegados sindicalistas, com direito a votos

Assessoria

06 de Fevereiro de 2014 - 15:53

Policiais Militares vão garantir a segurança no tumultuado processo eleitoral da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil e do Mobiliário de Mato Grosso do Sul – Fetricom/MS. As ameaças são de agressão física e até de sequestro a delegados sindicalistas, com direito a votos, explica Adauto Cândido de Almeida, diretor da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul.

Foi a central quem solicitou o policiamento. “A direção da Fetricom, que é candidata à reeleição, dificultou ao máximo a aproximação de qualquer concorrente, mediante ameaças a sindicalistas, trabalhadores e até empresários na Capital e interior de Mato Grosso do Sul”, afirma.

Alex Lima de Albuquerque, do sindicato dos trabalhadores na construção civil de Três Lagoas, encabeça a chapa 2, concorrente de Webertgton Sudário, vulgo Corumbá, atual presidente da Fetricom/MS. “Corumbá dificultou o quanto pode para evitar a concorrência. Sonegou documentos e até desrespeitou orientações e decisões do Ministério do Trabalho e Emprego. Mas conseguimos registrar nossa chapa e vamos agora para o processo eleitoral”, afirma Alex Lima.

Pelo menos 30 policiais militares deverão seguir para a sede da Fetricom em Campo Grande, para garantir a segurança dos delegados votantes para eleger a nova diretoria da entidade. “Esperamos que a PM possa garantir total segurança durante o período eleitoral que será das 7 da manhã até às 15 horas”, afirmou Adauto Cândido, diretor da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul.

Membros da Força Sindical Nacional, o ex-ministro Antônio Rogério Magri e Hugo Peres estão em Campo Grande, para dar todo apoio à Chapa 2, de Alex Lima. “Soubemos que Corumbá continua jogandosujo, ameaçando lideranças sindicais, inclusive de sequestro, para tentar impedí-los de votar contra a diretoria que está na direção da Fetricom/MS”, afirmou Hugo Peres.