Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 3 de Julho de 2022

Sidrolandia

Polo da faculdade de Pedagogia da UFGD poderá ser instalado em presídio

A avaliação da CAPES faz parte de um processo iniciado em julho de 2014 para a institucionalização do polo pelas duas instituições.

Correio do Estado

26 de Novembro de 2015 - 13:53

Um polo do curso de Pedagogia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) poderá ser implantado na Penitenciária Estadual de Dourados, através do Sistema Universidade Aberta do Brasil. 

Um avaliador da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), órgão vinculado ao Ministério de Educação e Cultura, visitou esta semana o presídio, depois de uma conjugação de esforços entre a universidade e a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), com apoio do Judiciário e Ministério Público.

Além do polo de Dourados, a Agepen estuda junto à UFGD a implantação de vários outros polos em suas maiores unidades prisionais, como Campo Grande, Três Lagoas, Corumbá, Dois Irmãos do Buriti, Naviraí e Ponta Porã, num esforço do Governo do Estado, por meio Secretarias de Justiça e Segurança Pública e de Educação, com o objetivo de devolver à sociedade maior percentual de pessoas que não tornem a delinquir.

A avaliação da CAPES faz parte de um processo iniciado em julho de 2014 para a institucionalização do polo pelas duas instituições (UFGD e Agepen), com apoio do juiz da Vara de Execuções Penais de Dourados, César de Souza Lima, e do promotor de Justiça da Execução Penal da referida comarca, Juliano Albuquerque.

Para que o polo na Penitenciária de Dourados se torne realidade e inicie seu funcionamento a partir de 2017, a direção geral da Agepen assinou uma série de documentos e o “Termo de Compromisso de mantenedor do polo de apoio presencial sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB)”, que estão sendo entregues à UFGD para encaminhamento à CAPES.

Na opinião do diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa Garcia, há um tripé muito importante na ressocialização dos custodiados sendo um deles a educação, ao lado do trabalho e da capacitação profissional.

Segundo Stropa, tem sido determinante o apoio que a unidade de Dourados tem recebido do juiz e do promotor de Justiça da Execução Penal. “O que demonstra a grande preocupação do Tribunal de Justiça e do Ministério Público de nosso Estado com tais questões”, destaca o dirigente.

Para a Reitora da UFGD, professora Liane Maria Calarge, estimular projetos como esse, envolvendo o Poder Público Estadual, demonstra a sintonia que existe entre a universidade e os vários setores da sociedade e amplia as inúmeras conquistas e prestação de serviços educacionais da instituição.