Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Porco morde Artuzi que é atendido no PAM em dia de lotação

Midiamax

09 de Fevereiro de 2011 - 13:52

Até parece ironia do destino. O ex-prefeito Ari Artuzi responsável direto pela maior crise política e administrativa vivida pelo município de Dourados precisou ser atendido pelo serviço público de saúde na noite de ontem quando os hospitais da Vida e Universitário entraram em colapso por causa da superlotação.

Artuzi de 46 anos de idade foi mordido por um porco na sua propriedade rural localizada no Travessão do Engano no período da tarde e somente por volta das 21h de ontem é que foi levado “por amigos” para ser atendido no PAM (Pronto Atendimento Médico) para ser suturado.

O ex-prefeito foi o segundo paciente a ser atendido no PAM no setor de sutura. O primeiro foi Alexandro Gondam Oliveira de 18 anos, conforme atesta a relação nominal de AVEIANM (Ações de Vigilância Epidemiológica , Imunizações e Atos Não Médicos) elaborado pelo PAM, subordinado a Secretaria Municipal de Saúde.

Conforme informações de funcionários do PAM, o ex-prefeito recebeu vários pontos na mão direita que foi mordida pelo porco.

A coordenadora do PAM não quis comentar o assunto enquanto que o secretário Municipal de Saúde David Infante Vieira disse que não procede a informação de que Artuzi teria “furado a fila” para ser atendido no dia em que todos os hospitais públicos e o próprio PAM estavam superlotados de pacientes.

Segundo informações de pessoas ligadas a Artuzi, o ex-prefeito que não tem convênio médico particular, levou a mordida do suíno no início da tarde e amarrou a mão com um pedaço de pano. Somente à noite quando estava numa festa é que amigos do prefeito levaram-no para ser atendido no PAM contrariando a vontade de Artuzi.

O ex-prefeito foi preso no dia primeiro de setembro do ano passado pela Policia Federal durante as ações da Operação Uragano que levou para a cadeia além de Artuzi, o vice-prefeito Carlinhos Cantor, nove vereadores, secretários municipais, empresários e servidores público. As denúncias davam conta que Artuzi manipulou licitações principalmente na área de saúde.