Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 18 de Maio de 2021

Sidrolandia

Prefeitura adia por uma semana início do ano letivo e aulas vão começar no dia 20

Pelo novo calendário anunciado, os professores voltam às escolas para a semana pedagógica de 13 a 17 de fevereiro; os alunos terão aula a partir do dia 20.

Flávio Paes/Região News

27 de Janeiro de 2017 - 07:00

As aulas na rede municipal de Sidrolândia só vão ser iniciadas no dia 20 de fevereiro. O inicio do ano letivo de 2017, com os alunos em sala de aula que estava programado para dia 13, foi adiado por uma semana pela Prefeitura, sob o argumento de que precisa de mais tempo para fazer reformas emergenciais em algumas escolas onde as condições de conservação são mais precárias. As aulas da rede estadual também vão ser iniciadas no dia 20.

Outra alegação é de que será preciso intervenções pontuais em estradas na zona rural, para garantir o trajeto do transporte escolar. Além de todas estas razões, o adiamento por uma semana do calendário escolar, também gera economia com o salário dos professores contratados e o transporte, que custa em média R$ 7 milhões por ano.

O Centro Municipal de Educação Infantil Irmã Demétria, foi interditada e a Secretaria de Educação, vai alugar dois imóveis onde as crianças serão atendidas. Também está sendo providenciada a entrega da creche do residencial Altos da Figueira, cujo prédio está pronto desde agosto do ano passado, mas ainda não foi inaugurada porque faltava atender as exigências da Energisa, com adequações no padrão de energia, para que a empresa fizesse a conexão do prédio à rede de energia elétrica.

Pelo novo calendário anunciado, os professores voltam às escolas para a semana pedagógica de 13 a 17 de fevereiro; os alunos terão aula a partir do dia 20; férias escolares de 10 a 24 de julho; término do ano letivo dia 14 de dezembro e exame final de 18 a 21 de dezembro.

A partir deste ano, com a não renovação do contrato com o Sistema Positivo, os alunos voltam a usar livros didáticos fornecidos pelo MEC (Ministério da Educação) e como a atual administração não comprou kits escolares, os pais terão que arcar com o material escolar, gastando em média R$ 90,00.