Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 9 de Maio de 2021

Sidrolandia

Prefeitura já cancelou ou suspendeu 60% das licitações que lançou em 40 dias

Como estão em jogo a aquisição de produtos ou serviços que atendem a população mais pobre, o retardamento do processo, compromete as intenções governamentais.

Flávio Paes/Região News

24 de Fevereiro de 2017 - 13:51

Das cinco licitações lançadas nos primeiros 40 dias da atual administração, três foram canceladas, ou seja, dos certames programados, 60%, incluindo o destinado a locação de um raio-x, anulado  por recomendação do Ministério Público, não foram levados adiante por algum tipo de irregularidade formal.

Como estão em jogo a aquisição de produtos ou serviços que atendem a população mais pobre, o retardamento do processo, compromete as intenções governamentais de dar prioridade a chamada social.

Entre as licitações que terão de ser retomadas (se for à conveniência do Governo), está o pregão presencial 02/2017, que aconteceria no último dia 14, destinado à locação de dois veículos (os chamados carros de apoio, promessas de campanha do prefeito) para o transporte de pacientes.

Por um ano, a Prefeitura pagaria R$ 303.400,00 pelo aluguel de duas vans, uma com capacidade para 21 passageiros e outra para 12. Este custo corresponde ao custo de aquisição de duas vans. São veículos similares ao que a Prefeitura adquiriu em 2014, para o transporte de renais crônicos até Campo Grande para fazerem hemodiálise, comprado por R$ 190 mil.

Pelo edital, uma das vans transportaria pacientes da zona rural para a cidade, percorrendo diariamente 250 quilômetros. O preço base foi fixado em R$ 131.600,04 (R$ 10.966,67 por mês), incluído o veículo, motorista e a manutenção. O segundo veículo, com 12 lugares, faria o trajeto zona rural/área urbana, percorrendo diariamente 100 quilômetros. A locação sairia por R$ 171.800,04 ao ano (R$ 14.316.67 ao mês).

A terceira licitação suspensa é o pregão 005/2017, programado para o último dia 20. Destinada a aquisição de 2.680 cestas básicas (R$ 359.593,47), ao custo de R$ 134,17 a unidade. As cestas serão destinadas à Secretaria de Assistência Social para distribuição entre famílias carentes, em vulnerabilidade social.