Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Prefeitura vai retomar obras na Saúde com reforma e construção de unidades básicas

Nos próximos dias deve ser retomada a construção, por uma outra empreiteira, das obras da Unidade Básica de Saúde do Capão Seco

Flávio Paes/Região News

26 de Agosto de 2013 - 10:47

Foto: Marcos Tomé/Região News

Prefeitura vai retomar obras na Saúde com reforma e construção de unidades básicas

A Prefeitura de Sidrolândia espera reabrir nesta semana a Unidade Básica de Saúde do Cascatinha, fechada desde abril  para a conclusão das obras de reforma e ampliação, em que estão sendo investidos R$ 112.500,00. Neste período a população do bairro está sendo atendida no período da tarde na UBS do Jardim Jandaia. Outras cinco obras devem ser retomadas ainda neste mês depois de quase um ano de paralisação. 

A Visão Engenharia, empreiteira que ganhou licitação para tocar sete obras (seis na área da saúde e o CREAS também no Cascatinha) desistiu da construção da UBS do Capão Seco e já retomou  a  construção da UBS do Diva Nantes, além das reformas no Cleide Piran, Capão Bonito e São Bento.

Nos próximos dias deve ser retomada a construção, por uma outra empreiteira, da Unidade Básica de Saúde do Capão Seco, que teve  a ordem  de serviço assinada em 10 de dezembro de 2011 e deveria ter sido inaugurada um ano depois, em dezembro do ano passado.  A obra esta parada há mais de seis meses porque do valor em que foi orçada, R$ 432.272,16, a empreiteira só conseguiu receber R$ 202 mil, sendo R$ 93,8 mil do Fundo Nacional de Saúde e R$ 108,7 mil da Prefeitura.

O prédio está com mais de 50% das obras prontas. Falta agora exatamente a parte mais cara, que é o acabamento. Da parcela de recursos federais (R$ 220 mil), o Fundo Nacional já liberou R$ 150 mil enquanto a contrapartida municipal de R$ 231.272,16. A empreiteira só conseguiu receber R$ 202.675,889, sendo R$ 93.899,74 do Ministério e R$ 108.776,15, do município.

São 283 metros quadrados de área construída,  com previsão de dois consultórios médicos; dois odontológicos; sala de triagem; farmácia; sala de multiuso; sala para esterilização; sala de procedimentos; recepção, setor administrativo. Fica num ponto estratégico de fácil acesso para 3 mil famílias que moram na região e hoje dependem do atendimento prestado em consultórios improvisados num ônibus  que está parado no Capão Seco, por causa de problemas na manutenção.

O conjunto de obras que a Visão Engenharia assumiu na gestão do ex-prefeito Daltro Fiuza, soma R$ 1.150.185,13, incluindo além da UBS do Capão Seco, a UBS Diva Nantes, a reforma e ampliação das unidades básicas do Cascatinha, Cleide Piran e Capão Bonito, além do Centro de Referência. Especializado em Assistência Social (CREAS).

A empreiteira alega que não consegue tocar todas as obras porque seus orçamentos estão defasados, o que dificulta até mesmo a contratação de mão de obra. Além do que a empresa precisa estar capitalizada para bancar as obras, já que só consegue receber depois do serviço pronto, medido e atestado pela Prefeitura, com aval da Caixa Econômica.

O dinheiro está no caixa da Prefeitura, mas como não há novas medições, o pagamento não é feito. É o caso, por exemplo, do UBS Diva Nantes, de R$ 200 mil, o Fundo Nacional de Saúde já liberou R$ 150 mil, mas até agora só houve medição de R$ 8.871,28.

Tão logo seja concluído o processo burocrático, será iniciada a construção de uma Academia de Saúde no Diva Nantes, ao custo de R$ 180 mil. Foram empenhados recursos para a construção de praça poliesportiva no Jardim Morada da Serra (R$ 243.750,76 e R$ 13.547,00 de contrapartida) e da primeira etapa do Ceasa (R$ 450 mil  e R$ 10 mil de contrapartida) na saída para Campo Grande. A Prefeitura agora terá de apresentar e obter a aprovação da Caixa Econômica para os executivos e assim poderá licitar as duas obras.