Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 26 de Maio de 2022

Sidrolandia

Prêmio MS Industrial de Jornalismo define os finalistas de 2015

O diretor de comunicação e marketing do Sistema Fiems, Robson Moreira, informa que neste ano serão homenageados jornalistas que já faleceram

Daniel Pedra

26 de Outubro de 2015 - 14:53

Após uma semana de análise, a Comissão de Julgamento definiu os finalistas do Prêmio MS Industrial de Jornalismo 2015, que vai distribuir R$ 100 mil em dinheiro para as melhores reportagens que retrataram o setor industrial em Mato Grosso do Sul, e o resultado foi homologado pelo Comitê Organizador composto pelos diretores da Fiems Julião Gaúna, Altair da Graça Cruz e Robson Moreira. Para cada uma das quatro categorias da modalidade Capital e das três categorias da modalidade interior, foram selecionados dois trabalhos e, dentre os 14 finalistas, duas reportagens foram indicadas pelos selecionadores para serem os grandes vencedores nas modalidades Capital e interior.

Segundo o diretor de comunicação e marketing do Sistema Fiems, Robson Moreira, os campeões das categorias Jornalismo Impresso, Telejornalismo, Webjornalismo e Fotojornalismo na modalidade Capital e os vencedores das categorias Jornalismo Impresso, Webjornalismo e Fotojornalismo na modalidade interior, bem como os grandes ganhadores da Capital e interior, serão conhecidos na cerimônia marcada para o próximo dia 4 de novembro, às 19 horas, no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS).

A Comissão de Julgamento do Prêmio MS Industrial de Jornalismo 2015 foi formada pelos jornalistas Robson Moreira (Fiems), Cleyton de Sales (Uniderp e Rádio Educativa), Geraldo Ferreira (SindJor/MS), Allan Kaiser (fotógrafo) e Andrea Matias (CNI). Na modalidade Capital, as matérias finalistas na categoria Jornalismo Impresso são “Paraguai, saída estratégica para a indústria do Brasil”, do jornalista Osvaldo Júnior (Correio do Estado), e “De cada 10 indústrias do Prodes apenas 4 estão ativas”, do jornalista Celso Bejarano Júnior (Correio do Estado).

Na categoria Telejornalismo, as matérias finalistas são “Fábrica de Chapéus”, da jornalista Cláudia Gaigher (TV Morena), e “Para não quebrar, empresários de Mato Grosso do Sul migram para o Paraguai”, do jornalista Rodrigo Nascimento (TV MS Record). Já na categoria Webjornalismo as finalistas são as matérias “Sapateiros lutam para preservar tradição brasiguaia e história calçadista em MS”, do jornalista Cleber Gellio (Midiamax), e “Em tempos de crise o melhor investimento é o conhecimento”, da jornalista Thalita da Luz Vieira de Assis (Portal da Educação).

A categoria Fotojornalismo tem como finalistas as fotografias das matérias “Desaquecido, setor têxtil de MS eleva volume de demissões”, do fotojornalista Bruno Henrique Rezende (Correio do Estado), e “Em tempos de crise o melhor investimento é o conhecimento”, da fotojornalista Thalita da Luz Vieira de Assis (Portal da Educação). Na modalidade interior, as matérias finalistas na categoria Jornalismo Impresso são “Mais do que postos de trabalho, industrialização traz evolução sociocultural e muda perfis”, do jornalista Valdovir José Menon (Jornal Maracaju Hoje), e “Das pequenas lojinhas às indústrias de liderança”, do jornalista Flávio Verão (O Progresso).

Na categoria Webjornalismo, as matérias finalistas são “Duplicação da BR-163 pode incrementar economia da região norte de MS”, da jornalista Sheila Forato (Edição de Notícias), e “Fiação Copasul: De projeto ousado a referência no mercado”, do jornalista Glarin Bif (Tá Na Mídia Naviraí). A categoria Fotojornalismo tem como finalistas as fotografias das matérias “Três Lagoas inicia novo século com R$ 15,7 bilhões em investimento”, da fotojornalista Flávia Gues (Revista Expressão MS), e “Das pequenas lojinhas às indústrias de liderança”, do fotojornalista Flávio Verão (O Progresso).

O diretor de comunicação e marketing do Sistema Fiems, Robson Moreira, informa que neste ano serão homenageados jornalistas que já faleceram – Jorge Franco e Priscila Sampaio - e para aqueles que têm toda uma história no jornalismo sul-mato-grossense – Sérgio Cruz, Fausto Brites e Avelino Neto. Em sua 5ª edição, o Prêmio MS Industrial de Jornalismo distribui neste ano R$ 100 mil em valores líquidos, sendo que os primeiros colocados da modalidade Capital receberão R$ 9 mil, enquanto os segundos colocados levarão R$ 3 mil, enquanto na modalidade Interior os primeiros colocados receberão R$ 6 mil e os segundos lugares R$ 2 mil, sendo que os grandes vencedores das duas modalidades terão direito a R$ 14 mil cada.