Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Presidente da Amas discute alternativas de eliminar as chamadas “sacolinhas

Acelino sugeriu que no lugar das sacolinhas retornem a conhecida “sacola de feira” e alternativas ambientalmente corretas

Marcos Tomé/Região News

05 de Maio de 2011 - 22:05

Presidente da Amas discute alternativas de eliminar as chamadas “sacolinhas
Presidente da Amas discute alternativas de eliminar as chamadas - Foto: Marcos Tom

A distribuição de sacolinhas plásticas descartáveis em supermercados no Mato Grosso do Sul pode estar com os dias contados. Acelino Cristaldo, presidente da Amas (Associação Sul Mato-grossense de Supermercados) preocupado com os problemas que a mesma provoca no meio ambiente, afirmou durante encontro com o Prefeito de Sidrolândia Daltro Fiuza, que a entidade é favorável que se crie alternativas sadias para fim de eliminar o referido material que é derivadas de petróleo de circulação.

A exemplo do Governo do Estado de São Paulo que já sinalizou assinar protocolo de cooperação com a Apas (Associação Paulista de Supermercados) para banir o uso dessa embalagem nas cidades paulistas por entender que não oferece benefício suficiente que justifique o prejuízo que causam ao meio ambiente, o Mato Grosso do Sul também deverá se mobilizar com o mesmo objetivo.

Acelino sugeriu que no lugar das sacolinhas retornem a conhecida “sacola de feira” e alternativas ambientalmente corretas. “A proposta é o consumidor criar o hábito de levar a sua embalagem ao supermercado. Com a mudança de comportamento será possível acabar com o uso da sacola descartável e incluir as retornáveis (de pano, lona), carrinhos de feira, caixa de papelão”, explica Acelino Cristaldo.

Daltro Fiuza afirmou que sua administração tem se preocupado no sentido de conscientizar o consumidor em não estar utilizando as chamadas sacolinhas e enfatizou como exemplo, às milhares de sacolas que acabam nos lixões que muitas das vezes, o evento leva para propriedades rurais que se avizinham os aterros sanitários. “Todos são favoráveis à medida pela grande contribuição ambiental e a adesão será na totalidade”, destaca.

“A Amas defende o uso ambientalmente consciente das sacolas e a ideia não é banir o plástico, mas diminuir ao máximo o impacto ambiental na natureza, sem atrapalhar a vida do cidadão”, afirma Acelino.

Erradicar a sacolinha

“Estamos estudando as opções viáveis a serem apresentadas ao consumidor. Se o cidadão for às compras com sacola retornável (como as de feira), ecobags (reutilizável e feita em material renovável), carrinho de feira, caixa de madeira ou mochila, o custo será zero. Poderá reutilizar caixas de papelão cedidas pelo supermercado”, finaliza.