Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 22 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Procon divulga pesquisa de preços de combustíveis na Capital

Midiamax

22 de Fevereiro de 2011 - 10:54

O Procon/MS pesquisou os preços de combustíveis em 50 postos da Capital, ou seja, 35% do total de postos. De acordo com a pesquisa, é possível identificar, por exemplo, que os menores preços praticados estão na Região Urbana do Lagoa que engloba os bairros Bandeirantes, Batistão, Caiçara, Caiobá, Coophavila II, Leblon, São Conrado, Taveirópolis, Tarumã, Tijuca e União.

A gasolina comum mais barata foi encontrada no valor de R$ 2,649 sendo que a mais cara ficou em R$ 2,729, indicando uma variação de 3,02%. A gasolina aditivada esteve entre R$ 2,679 e R$ 2,799, ou seja, 4,48% de diferença. Já o etanol variou entre R$ 1,899 e R$ 1,999 o que aponta variação de 5,27%.

No diesel comum foi encontrada a maior diferença entre o menor e o maior preço, de 8,38%, tendo sido encontrado R$ 2,029 e R$ 2,199. Em compensação a menor variação de todos os itens também foi no diesel, mas no aditivado, com R$ 2,133 no mais barato e R$ 2,190 no mais caro, representando 2,67%.

Comparativo

Na comparação com a pesquisa realizada no mês de março do ano passado, houve aumento nos preços da gasolina: a comum na ordem de (+) 11,91% e a aditivada em (+) 9,39%. O diesel por sua vez teve pequena redução de preço no último ano, com queda de 1,53% no diesel comum e (-) 0,33% no aditivado.

O superintendente do Procon Estadual, Lamartine Ribeiro explica que apesar do etanol ter aumentado em 7,47%, ainda não desceu do patamar de 70% do valor da gasolina. “Comparando os preços médios, o etanol chega a 72,5% do valor da gasolina, demonstrando que para os proprietários de carros bicombustíveis, compensa mais abastecer com gasolina do que com etanol”, justifica.

Apesar do Procon ter feito o levantamento em dias de semana e nos fins de semana, a diferença encontrada foi irrelevante para o resultado da pesquisa, na maioria dos casos não ultrapassando o R$ 0,01 (um centavo de real).

“É importante notar que os preços podem trazer variações de qualidade não só no produto, como no serviço dispensado no atendimento ao consumidor, que pode levar isso em consideração na hora do abastecimento, mas principalmente, o consumidor deve confiar na empresa que está optando por colocar combustível naquele que se constitui no segundo bem patrimonial mais valioso para grande parte das famílias, que é o automóvel”, ressalta o superintendente do Procon Estadual, Lamartine Ribeiro.

A pesquisa conta com as regiões urbanas da Capital que foram divididas em cores sendo: cor amarela - região Central; cor verde - região Lagoa; cor azul - região Anhanduizinho; cor roxa - região Imbirussu; cor verde claro - região Bandeira; cor laranja - região Segredo e cor vermelha - região Prosa. Todos os postos estão identificados com nomes e endereços.