Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 26 de Maio de 2022

Sidrolandia

Rendimento da população avançou em média 62,4% no Estado

De acordo com a SIS, em 2014, a população feminina ocupada acumulava rendimento médio de R$ 886,00.

Correio do Estado

05 de Dezembro de 2015 - 09:43

Rendimento médio da população ocupada em Mato Grosso do Sul aumentou 62,4% em 10 anos – passando de 
R$ 1.143 em 2004, para 
R$ 1.857 em 2014 – e representa o sétimo maior no País, junto a Mato Grosso, ficando atrás somente do Distrito Federal, dos estados da Região Sul e do Rio de Janeiro. A média de ganho do trabalhador do Estado também ultrapassa a nacional (44,1%), que avançou de R$ 1.197 para R$ 1.725, no mesmo período, conforme a Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2015, divulgada ontem, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, a pesquisa mostra que, apesar da melhoria de rendimento, permanece acentuada a desigualdade salarial entre os gêneros no Estado. Mesmo tendo avançado 61,85% em seus ganhos desde 2004, a mulher ainda recebe o equivalente a 66,2% da remuneração do homem. Dez anos atrás, essa proporção salarial era de 67,3%.

De acordo com a SIS, em 2014, a população feminina ocupada acumulava rendimento médio de R$ 886,00. Dez anos depois, essa renda saltou para R$ 1.434,00. O maior incremento foi verificado entre as mulheres empregadas em trabalhos informais: de R$ 582,00 para R$ 1.690,00, o equivalente a 70,6%. Em empregos formais, o crescimento de renda delas foi de 18,3% (de R$ 1.212,00 para R$ 1.690,00). 

Entre os homens, o avanço de rendimentos ocorreu em menor proporção, com aumento de 62,02% no rendimento obtido em empregos informais (R$ 1.664,00 em 2014, contra R$ 1.597,00 dez anos atrás) e 51,7% em empregos informais (eram R$ 1.315,00 em 2004, e o valor passou para R$ 2.424,00 no ano passado). No entanto, ainda assim, as mulheres ocupadas no mercado formal ganham o correspondente a 69,7% do salário masculino; quando considerada a média recebida em trabalhos informais, essa proporção é de 61,7%.