Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 12 de Maio de 2021

Sidrolandia

Representante dos estudantes na comissão sugere que alunos recorram a Defensoria ou a Promotoria

Daniel é um dos s representantes dos estudantes na comissão, além de ter sido vice-presidente da Associação dos Estudantes Campesinos.

Flávio Paes/Região News

25 de Fevereiro de 2017 - 09:37

Procurar a Defensoria Pública ou recorrer ao Ministério Público a partir da próxima quinta-feira para cobrar o direito a gratuidade no transporte universitário. Este foi conselho transmitido via WhatsApp por Daniel Bueno, aos 82 estudantes que tiveram a inscrição indeferida pela comissão formada no âmbito da Secretaria Municipal de Assistência Social para definir os contemplados com a subvenção .

Daniel é um dos representantes dos estudantes na comissão, além de ter sido vice-presidente da Associação dos Estudantes Campesinos, entidade que gerenciou o transporte até o mês de maio do ano passado. Por recomendação do Ministério Público, foi descredenciada pela Prefeitura, após não prestar contar de R$ 400 mil em subvenção repassada pelo município para custear o transporte, além de estar sendo cobrada judicialmente por empresas ônibus, que alegam não ter recebido pelo serviço. Só a Guimarães Transporte reivindica o recebimento de R$ 212 mil, referentes aos meses de abril e maio de 2015.

Dos estudantes indeferidos, 17 foram excluídos por uma série de razões, desde aqueles que pleitearam o transporte para estudar no EJA em Campo Grande (dois deles), oferecido na cidade, já terem uma graduação de nível superior (um caso); não terem comprovado residência há mais de um ano, nem apresentado título de eleitor da cidade: outros não apresentaram atestado de matrícula, nem documentos da renda familiar. A maioria, entretanto, 65, ficou fora porque tem renda familiar acima de três salários mínimos.