Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 6 de Março de 2021

Sidrolandia

Saúde abre sindicância para apurar morte de Thalita e diagnóstico do plantonista de dengue hemorrágica

A secretária de Saúde, Leila Couto, em nota oficial divulgada ontem, deixa claro que não concorda com este diagnóstico clínico.

Flávio Paes/Região News

26 de Setembro de 2014 - 09:46

O prefeito Ari Basso abriu sindicância (por meio da portaria 685/2014) que  além de apurar as circunstância da morte de Thalyta Jorge de Moraes, vai investigar o comportamento do médico plantonista, Jorge de La Torre, que indicou como causa da morte da menina de 6 anos, dengue hemorrágica.

A secretária de Saúde, Leila Couto, em nota oficial divulgada ontem, deixa claro que não concorda com este diagnóstico clínico porque “não há notificação de caso suspeito de dengue desde o final de julho”. A secretária sustenta que “não existe parâmetros clínicos e laboratoriais que comprovem esta patologia”.

Mesmo assim, com base no diagnóstico do plantonista, o caso já  apareceu no último boletim epidemiológico sobre dengue, como  “óbito sob investigação”. Esta opinião da secretária é compartilhada pelo marido dela, o médico Renato Couto, que chegou a elaborar um novo atestado de óbito atribuindo à morte da menina a “causa natural”. 

O presidente do hospital, Jair Nascimento, não aceitou substituir o documento e a própria família de Thalyta rejeitou a substituição do atestado de óbito. Os familiares devem pedir na próxima semana a exumação do corpo, para então tentar descobrir o que de fato causou a morte da menina.

Conforme a portaria publicada nesta sexta-feira, a comissão de sindicância será integrada pelos funcionários municipais Erika Siqueira Souza Battistelli; Leticia Maria Sitorski Muller e Ueber Joaquim Alves Arce. A comissão terá o apoio da Procuradoria Jurídica.

Sindicância

http://i.imgur.com/O8MkGvj.jpgNa sessão da última segunda-feira o vereador Waldemar Acosta (PDT), cobrou da secretária municipal de Saúde, Leila Couto, abertura de sindicância para apurar se o atendimento na rede pública prestado à Thalita Jorge de Moraes, uma menina de 6 anos que morreu sexta-feira (19) à noite com sintomas de dengue hemorrágica, seguiu todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde nos casos como o dela.

A criança chegou à Unidade Central de Saúde com febre alta e vômito, quadro parecido com que estava na segunda-feira, quando sua mãe a levou pela primeira vez ao posto. O diagnóstico inicial foi de que teve reação alérgica a um medicamento que havia tomado na sexta-feira, dia 12, para controlar uma infecção na garganta.

Nota da Secretaria de Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde de Sidrolândia informa a nossa população que está atenta aos recentes fatos ocorridos no município e é a principal interessada em elucidar e esclarecer todos os episódios visando o bem estar e segurança dos munícipes, trabalhando com transparência absoluta como de costume. Esclarece que não há notificação de caso suspeito de dengue desde o final de julho do presente ano.

Investiga a fundo em busca da comprovação de suposto óbito por “dengue hemorrágica”, tendo em vista não existirem parâmetros clínicos e laboratoriais que comprovem esta patologia.

Mantém abastecimento de medicamentos na rede pública municipal dentro da normalidade, bem como fornece aos médicos e funcionários da área da saúde todo material técnico para uma prática salutar.

Disponibiliza médicos para atuar junto ao IML, órgão vinculado a Secretaria de Segurança Pública, atendendo ao Termo de Cooperação Mútua em vias de renovação e com reestruturação do serviço no município de Sidrolândia.

Mantém contratualização de serviços junto a Sociedade Beneficente D. Elmíria Silvério Barbosa, fornecendo apoio técnico, material e humano, como: ambulância, cedência de profissionais de nível médio e superior, suporte no fornecimento de combustível e de material de consumo.

Informa também que o Sistema de Regulação de Vagas eletivas ou de urgência/emergência são de exclusiva atribuição do hospital local, não cabendo à Secretaria Municipal de Saúde Pública do município gerir nesta rotina.

Reforma, amplia e constrói novos ESF na zona rural e urbana, visando reorganização da rede, para melhor atender a população. Constantemente busca novos profissionais para atuar na área da saúde em ESF e especialidades, apesar da grande dificuldade pela escassez dos mesmos.

Enfim trabalha diuturnamente no sentido de oferecer saúde de qualidade à todo sidrolandense, visitantes e trabalhadores de empresas que ajudam no crescimento da cidade. Coloca-se como sempre a disposição de todo e qualquer cidadão para elucidação  de dúvidas  e solicitações na área da saúde.

Aproveita a ocasião para pedir ajuda por meios de recursos de parlamentares aos vereadores  (dentre eles dois médicos) ao vice-prefeito (médico) que podem atuar efetivamente junto as bancadas dos deputados do MS, e a classe política em geral do município, pois todos têm como ideal servir ao povo de Sidrolândia com imparcialidade, sabedoria e dedicação.