Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Saúde de Dourados entra em colapso com superlotação dos hospitais públicos

Os 75 leitos do HV, que funciona na Rua Toshinobu Katayma, no centro da cidade, estão todos ocupados assim como os oito leitos do Pronto Socorro

Midiamax

09 de Fevereiro de 2011 - 11:00

A saúde pública em Dourados entrou em colapso nesta terça-feira (08). O HV (Hospital da Vida) e o HU (Hospital Universitário) estão superlotados. Não há vagas para nenhum paciente.

O procurador-geral do município, advogado Sergio Henrique Araújo, e o secretário municipal de saúde David Infante Vieira, estão desde o início da tarde tentando resolver a situação.

Sérgio Henrique neste momento está conversando com o promotor Paulo Zeni na tentativa de o Ministério Público Estadual intervir para que novos leitos sejam abertos no HU para transferir os 20 pacientes que estão no Hospital da Vida espalhados pelos corredores sem as mínimas condições de atendimento.

Zeni, que responde pela Promotoria do Meio Ambiente, orientou o secretário e o advogado a acionarem as Promotorias de Cidadania e do Patrimônio Público.

Os 75 leitos do HV, que funciona na Rua Toshinobu Katayma, no centro da cidade, estão todos ocupados assim como os oito leitos do Pronto Socorro. Sérgio Henrique disse que o Hospital Universitário ofereceu apenas um leito para paciente feminino.

O diretor-geral em exercício do HU, professor Rosemar Hall, confirmou que tem apenas uma vaga para oferecer ao Hospital da Vida. Hall disse que os 99 leitos da enfermaria e todos os da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) estão ocupados. “Não temos mais onde colocar pacientes”, disse o diretor.

Os 20 pacientes que estão em macas e cadeiras espalhadas pelos corredores esperam ser transferidos para o Hospital Universitário. Um dos pacientes que sofre de distúrbios psiquiátricos está numa maca que fica embaixo do forro de gesso que está despencando do teto.

O secretário de Saúde disse que a situação pode piorar ainda mais porque Dourados é um pólo regional que tem a obrigação de atender mais de 35 municípios da região sul do Estado através do SUS (Sistema Único de Saúde).

Enquanto o secretário falava com  a reportagem do site, um paciente que foi transferido de uma cidade da região na condição de “Vaga Zero” morreu na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).
 
Nos postos, a situação não é diferente

A Rede Pública de Saúde de Dourados conta atualmente com cerca de 40 postos espalhados pelos bairros, sendo que a maioria são PSF (Posto de Saúde Familiar).

Os postos também estão superlotados e não conseguem atender as demandas dos bairros. O PAM (Pronto Atendimento Médico) que funciona na Vila Industrial até as 24h todos os dias atende atualmente mais de 150 pacientes diariamente onde atuam apenas cinco médicos em regime de plantão.

Desafio do novo prefeito

Além de ter que resolver o grave problema das ruas de Dourados, onde os buracos tomaram conta depois da prisão do ex-prefeito Ari Artuzi, o novo prefeito terá que descascar o maior “abacaxi” da Prefeitura de Dourados, que é a saúde pública.

O prefeito eleito Murilo Zauith (DEM), esteve em Campo Grande participando de reuniões políticas, disse por telefone ao site  que tão logo assuma o cargo vai resolver definitivamente os problemas de gestão enfrentados pelo setor de saúde.

“Tenho um compromisso de campanha que em noventa vamos pelo menos normalizar a situação”, disse Murilo.