Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 5 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Servidores se reúnem com o prefeito para levar reivindicação de 12% de reajuste

O aumento solicitado, aprovado em assembleia-geral realizada na semana passada, corresponde a inflação oficial medida pelo IPCA dos últimos dois anos

Flávio Paes/Região News

22 de Agosto de 2013 - 07:35

O prefeito de Sidrolândia se reúne daqui pouco com a diretoria do Sindicato dos Servidores quando a categoria vai apresentar a reivindicação de um reajuste salarial de 12% retroativo à 1º de maio, data-base da categoria assegurada pela lei 07 complementar de 2004.

O aumento solicitado, aprovado em assembleia-geral realizada na semana passada, corresponde a inflação oficial medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Ampliado) dos últimos dois anos.  O argumento do funcionalismo é de que em 2011 (quando foi implantado o plano de cargos e carreiras) e ano passado, a Prefeitura não concedeu reajuste, daí a necessidade de repor as perdas salariais acumuladas.

Embora o prefeito publicamente admita a concessão de algum percentual de reajuste que atenda os funcionários efetivos (deixando de fora os comissionados),  a informação que circula entre os próprios servidores é de que não haverá reajuste.

O prefeito está preocupado com o impacto de qualquer correção salarial que pode comprometer até o pagamento do 13º, além da necessidade de ajuste da administração aos limites de gastos com pessoal (51%) fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal.  Com o corte de gratificações e demissões dos contratados, o objetivo é reduzir em R$ 1 milhão a folha de pagamento, que chegou a R$ 4, 3 milhões. Com o enxugamento promovido em julho, metade desta meta teria sido alcançada.

Na assembleia, que reuniu aproximadamente 200 funcionários, ficou evidente uma posição de consenso: a categoria não vai renunciar a cobrança de reajuste, mesmo diante dos argumentos da administração municipal sobre as dificuldades financeiras enfrentadas pela prefeitura.

“Cabe ao prefeito tomar as medidas necessárias para ajustar as contas, cortando outros gastos, cancelando contratos”, destacou o presidente do Sindicato, Idemar  Marcos, que embora tenha apoiado a candidatura Ari Basso na eleição suplementar, garantiu sua independência na condução das negociações salariais. “Vocês podem ter certeza, que o Sindicato vai estar ao lado do servidor”, comentou.