Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Sobrinho acusado de estuprar e matar tia em Ladário nega crime

A jovem foi encontrada em um matagal, a cerca de 30 metros da casa onde morava

Campo Grande News

27 de Dezembro de 2010 - 13:43

O principal suspeito de ter cometido estupro e em seguida assassinado Carolina Rodrigues de Aquino, de 19 anos, negou o crime. Em entrevista coletiva nesta segunda, o delegado responsável pelo caso esclarece que o jovem confessa ter tentado abusar da tia, mas que não conseguiu manter relação sexual com a jovem.

Luiz Jeferson Macedo, 24 anos, foi preso sob acusação de ter estuprado e matado Carolina no último sábado, no bairro Alta Floresta II, em Ladário. A jovem foi encontrada em um matagal, a cerca de 30 metros da casa onde morava.

O acusado é sobrinho por afinidade de Carolina (a mãe dele seria casada com um irmão da vítima). Luiz Jeferson confessou que foi com a vítima até o local onde o corpo foi achado. Chegando lá, o jovem aplicou uma “gravata” na vítima e a jogou no chão, quando Carolina bateu a cabeça em uma pedra e ficou desacordada.

“Ele alegou que quando está bêbado, não consegue ter ereção, o que foi desmentido pela esposa dele, que inclusive está grávida”, detalhou o delegado Enilton Zalla. Uma bermuda e uma cueca, sujas de sangue, foram recolhidas na casa dele, que podem ajudar a esclarecer o crime.

O corpo de Luiz Jeferson apresenta diversos arranhões, que evidenciam possível luta corporal. “Ele havia dito que tinha caído de bicicleta”, continua o delegado.

O sobrinho de Carolina esperou o namorado da vítima deixar a casa da jovem, por volta da 1 da manhã do dia 25, e foi até a residência.

A causa da morte ainda não foi confirmada pelo IML (Instituto Médico Legal). Ao que tudo indica, Carolina pode ter sido sufocada. Zalla também afirmou que ainda não excluiu a possibilidade de participação de outras pessoas no crime.

Luiz Jeferson foi indiciado por estupro seguido de morte, crime considerado hediondo. Se condenado, pode pegar até 30 anos de prisão.