Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 9 de Dezembro de 2021

Sidrolandia

Trabalhadores da Seara fazem assembleia e devem pedir reajuste de até 27,51%

Uma das bandeiras do Sindaves é aproximar os salários dos trabalhadores da Seara de Sidrolândia com os pagos pelos seus colegas de empresa em Santa Catarina e no Paraná

Flávio Paes/Região News

24 de Agosto de 2013 - 09:30

Os trabalhadores da Seara se reúnem amanhã em assembleia geral a partir das 9 horas na Câmara Municipal. Eles vão definir a pauta de reajuste salarial e reivindicações que pretendem levar para mesa de negociação com a empresa durante o processo convenção coletiva de trabalho.  

Entre as solicitações que o Sindaves (Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Carne e Alimentação de Sidrolândia) vai submeter para deliberação da categoria, está um reajuste salarial de até 27,51% que elevaria de R$ 745,00 para R$ 950,00 o piso salarial a partir de transcorrido os 90 dias de experiência.

Já para recém-contratados, vai ser pleiteado um salário de R$ 850,00, o que corresponde a uma correção de 21,42% sobre o valor ganho atualmente, R$ 700,00. Também está na pauta de reivindicação reduzir de 44 para 40 horas a jornada semanal de trabalho; diminuir de 3% para 1% sobre o salário base, o desconto aplicado pela empresa para custear o transporte dos funcionários.

Em relação a cesta básica, o Sindaves quer aumentar de R$ 87,00 para R$ 150,00 (um incremento de 87%) o valor dos produtos oferecidos aos trabalhadores. Será proposta como alternativa a adoção de um cartão de compras no valor de R$ 200,00, que os funcionários poderiam usar em supermercados credenciados.

Este valor maior do cartão se justificaria por causa da diferença de preços.  Comprando de forma isolada o trabalhador vai pagar bem mais caro pelos produtos já que não tem o mesmo poder de negociação da empresa porque a Seara compra as cestas básicas por atacado.

A assembleia deste domingo será prestigiada pelo presidente da Federação dos Trabalhadores em Alimentação no Estado, Vilson Gonçalves; presidente estadual da CUT, Genilson Duarte; além de presidentes dos sindicatos dos municípios de Forquilinha (SC) e Carambeí (PR), municípios que também sediam unidades da Seara.

Uma das bandeiras do Sindaves é aproximar os salários dos trabalhadores da Seara de Sidrolândia com os pagos pelos seus colegas de empresa em Santa Catarina e no Paraná. O menor salário pago ao trabalhador sidrolandense é 28,57% menor que o do seu colega residente no sul do País na mesma situação: lá o piso salarial é de R$ 900,00, enquanto aqui é de R$ 700,00.  Passado os 90 dias de experiência, o vencimento aqui passa para R$ 745,00, lá vai a R$ 950,00.