Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Sidrolandia

UEMS entra em greve por falta de professores concursados

De acordo com o acadêmico do curso de História, Emerson Mascarenhas, a decisão foi tomada entre alunos e o corpo docente da unidade

Gazeta News

15 de Abril de 2011 - 18:14

Em manifestação para sensibilizar a reitoria e também o Governo do Estado, alunos da unidade da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) de Amambai, decidiram na noite da última quarta-feira, dia 13 de abril, não assistirem aula. Os motivos são a falta de professores concursados para os cursos.

Segundo informações da acadêmica do terceiro ano de Ciências Sociais, Jéssica Vargas, há tempos os alunos estão sofrendo com a falta de professores especializados. “Já perdemos vários professores que são doutorados em Ciências Sociais, por conta de salário e também por serem contratados”, desabafa a acadêmica.

De acordo com o acadêmico do curso de História, Emerson Mascarenhas, a decisão foi tomada entre alunos e o corpo docente da unidade. Os estudantes alegam que há descaso da instituição em relação aos cursos, pois não estão dando suporte para professores e os prejudicados são os alunos. “Durante a greve, vamos promover debates, discussões e conversas para decisão de outras medidas e ações a serem tomadas pelos alunos”, diz o acadêmico que faz parte da comissão do curso.

A preocupação de Vargas é que a falta de professor pode atrasar a conclusão do curso e ainda os alunos terminarem o curso com um embasamento fraco com tanta mudança de professores. “A questão é que alunos do 4º ano do curso de Ciências Sociais se deparam com a situação de que a formatura da 1ª turma esteja comprometida”, fala a estudante.

O problema já é antigo e não apenas no curso de Ciências Sociais. Outros cursos da instituição já passaram por esse problema, tanto em Amambai, quanto em outras cidades. “Ressaltamos que esta é uma movimentação apartidária e tão somente interessada na busca da excelência de ensino dentro da instituição”, enfatiza Mascarenhas.

A redação do jornal A Gazeta entrou em contato com a sede da UEMS em Dourados e a assessoria de imprensa informou que já está ciente da paralisação dos alunos e ficou de emitir uma nota oficial sobre o caso nesta sexta-feira.