Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Janeiro de 2021

Sidrolandia

Vereador quer obrigar bancos a instalar divisórias em caixas das agências de Maracaju

As divisórias, com 1,80 metro de altura devem ser confeccionadas em matéria opaco para impedir visibilidade, já foram adotadas em vários municípios.

Flávio Paes/Região News

06 de Abril de 2014 - 23:20

Está em tramitação na Câmara de Maracaju, o projeto de lei 06 de autoria do vereador Odair Roberto Schwinn, que obriga os bancos a instalar em 60 dias (a partir da sua sanção em lei) divisórias individuais entre os caixas e o espaço reservado para os consumidores que aguardam atendimento nas agências bancárias, postos de serviço e correspondentes bancários.

As divisórias, com 1,80 metro de altura devem ser confeccionadas em material opaco para impedir visibilidade, já foram adotadas em vários municípios do País, inclusive na capital sul-mato-grossense. Segundo o vereador o objetivo da proposta é garantir a privacidade dos usuários de serviços bancários.

A falta destas divisórias permite que toda a operação bancária seja observada por quem se encontre na fila. “Como é hoje, quem fica aguardando atendimento ou mesmo nas adjacências, vê tudo, não garante o devido sigilo a quem está utilizando do serviço e causando por outro lado constrangimentos aos consumidores em desrespeito ao princípio constitucional", acredita o vereador.

Beto Schwinn lembra que cresceu a incidência de roubos na saída dos bancos, onde são subtraídos mediante grave ameaça todo o dinheiro sacado nos caixas, sendo que em casos mais graves se tem verificado danos à integridade física e a própria vida da vítima. "A forma de agir é uma só, delinqüentes ficam nos interiores dos estabelecimentos bancários observando a retirada de dinheiro para posteriormente agirem", diz.

Pela proposta as instituições bancárias terão 60 dias para instalar as divisórias, Vencido este prazo, estarão sujeita a multa diária de 500 Unidade Fiscal do Municipal. Um projeto semelhante aprovado pela Assembleia em 2010, de autoria do deputado Amarildo Cruz, foi vetado pelo governador André Puccinelli.