Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 16 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Vereadores da base inviabilizaram proposta da oposição de acordo

Os sete vereadores que votaram contra o projeto propuseram um acordo: adiar a votação por duas semanas.

Flávio Paes/Região News

15 de Outubro de 2013 - 08:18

Curiosamente  mesmo diante da derrota iminente  na votação do projeto que criava cargos na estrutura administrativa  da Prefeitura, foram  justamente três  vereadores da situação (Vilma Felini, Sérgio Bolzan e Edivaldo dos Santos) que inviabilizaram  a consumação da proposta de entendimento aceita pela oposição . A  proposta era  adiar a votação do projeto por duas sessões ordinárias para se buscar o consenso.

Os sete vereadores que votaram contra o projeto propuseram um acordo: adiar a votação por duas semanas, tempo necessário para o Ministério Público responder aos questionamentos  sobre algumas irregularidades no processo de contratação da FAPEC para organizar o concurso, como não ter havido licitação(nem um processo administrativo de dispensa da concorrência). O próprio petista Sérgio Bolzan considerou procedentes uma das falhas apontadas pelo vereador David Olindo: o fato da Prefeitura não ter aberto uma conta bancária especifica para receber os recursos das inscrições.

Como o regimento interno impedia o adiamento da votação do projeto, que tramitou em regime de urgência, a assessoria jurídica da Câmara sugeriu  uma alternativa para contornar  a restrição regimental: a apresentação de um requerimento, assinada por todos os vereadores, propondo o adiamento.

 A engenharia política não deu  certo justamente porque Sérgio Bolzan, Edivaldo dos Santos e Vilma Felini não concordaram em aprovar o requerimento.  Sérgio Bolzan  diz que não concordou em adiar a votação  (após três semanas de obstrução promovida pela oposição na Comissão de Legalidade e Cidadania) em respeito ao regimento interno.

A vereadora Rosangela Rodrigues dos Santos (PMDB),lamentou  que o entendimento tinha fracassado. “Todos aqui são favoráveis a realização de concurso. Acredito que o adiamento da votação viabilizaria o entendimento”. O vereador David Olindo acusou o Executivo de ter  desrespeitado a Câmara  ao se recusar a dar explicações sobre o projeto e o processo de contratação da FAPEC.

O vereador Waldemar Acosta que votou a favor do projeto, lembrou que estes esclarecimentos cobrados por David poderiam ter sido prestados à Câmara, no último dia primeiro, quando os técnicos da Prefeitura estiveram no Legislativo e oito dos 13 vereadores boicotaram a reunião.