Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 9 de Dezembro de 2021

Economia

Antes do reajuste, postos encerram promoção e gasolina sobe na Capital

De sexta para sábado, a gasolina passou de R$ 2,87 para R$ 2,98 no posto Santa Conceição, na rua 14 de Julho. Já o etanol teve aumento de R$ 1,99 para R$ 2,09.

Campo Grande News

30 de Setembro de 2013 - 09:52

As explicações são diversas, mas fato é que os preços da gasolina e do etanol sofreram reajuste em Campo Grande. No entanto, a alta ainda não reflete o aumento de 5% previsto para este semestre pela Petrobras. Na Capital, o aumento da gasolina foi de 3,8% (em média, R$ 0,10), enquanto o etanol foi majorado em até 5% (R$ 0,10).

De sexta para sábado, a gasolina passou de R$ 2,87 para R$ 2,98 no posto Santa Conceição, na rua 14 de Julho. Já o etanol teve aumento de R$ 1,99 para R$ 2,09.

De acordo com o gerente Militão Renovato Pires, não foi reajuste, mas retorno ao valor que deveria ser praticado. Segundo ele, os preços anteriores eram devido a uma promoção que durou quatro meses. “Era uma questão de concorrência”, afirma.

Apesar do valor maio, as vendas não foram afetadas no fim de semana. “Se levar em consideração preço no interior, de R$ 3,10, R$ 3,15; a gasolina em Campo Grande está barata. Alguns clientes perceberam e reclamaram um pouco, mas não tem jeito, tem que rodar”, diz o gerente.

No Posto Pantanal, na 14 de Julho com a avenida Mascarenhas de Moraes, os combustíveis também foram reajustados. “As notas fiscais já vieram com preços novos”, afirma a gerente Andreia Pelzl.

A gasolina aumentou de R$ 2,88 para R$ 2,98. Enquanto o preço do etanol subiu de R$ 1,99 para R$ 2,05. Nesta segunda-feira, muitos postos ainda trabalham com os preços antigos na cidade.

No cruzamento das rua 14 de Julho com Edgar Gomes, o posto Mediterrâneo estampa cartaz com promoções. O litro da gasolina é vendido a R$ 2,88 e o do etanol a R$ 1,99. Responsável pelo setor administrativo do posto, João Carlos da Silva Pinto, afirma que a promoção é por tempo indeterminado.

O aposentado Ênio Pereira, 71 anos, conta que nem tinha percebido a alta dos preços, mas deu sorte de abastecer em um posto que ainda não reajustou os valores. “Sempre abasteço aqui por conta do cartão, ganho prazo de até 40 dias para pagar”, diz.

No último dia 16, a gasolina foi reajustada em R$ 0,02. Para o etanol, o aumento foi de R$ 0,01. Na ocasião, o pequeno aumento foi reflexo de decisão da Cotepe (Comissão Técnica Permanente). Num efeito dominó, o reajuste foi repassado pela Petrobras.

Segundo o supervisor técnico do Sinpetro/MS (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes), Edson Lazaroto, o novo preço nas bombas trata-se de adequação e término de promoções. “Teve o reajuste de dois centavos e o etanol tem aumento quase diário. O etanol está subindo assustadoramente”, salienta.

O mercado vive a expectativa de que o governo federal anuncie um reajuste no preço da gasolina, da ordem de 5%. “Deve sair até 21 de outubro, mas desde maio estão postergando para segurar a inflação”, afirma Lazaroto.