Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 4 de Dezembro de 2021

Economia

CAGED mostra queda de 30,77 % nas contratações e redução de 560 empregos em Sidrolândia

O cenário atual é bem diferente do que se verificou em 2012, quando em igual período, foram abertos 150 novos emprego.

Flávio Paes/Região News

03 de Outubro de 2013 - 13:09

O fechamento da  Usina Santa Olinda e o enxugamento do quadro de pessoal das três maiores indústrias da cidade (Tip Top, Via Blumenau e Seara) estão se refletindo no desempenho da oferta de emprego em Sidrolândia. Os números mais atualizados do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) referentes aos primeiros oito meses de 2013, mostram que de janeiro a agosto houve corte de 560 empregos com carteira assinada.

O cenário atual é bem diferente do que se verificou em 2012, quando em igual período, foram abertos 150 novos emprego. O número de contratações (1.964) caiu 30,77% em relação ao do ano passado (que somaram 2.833). Em compensação número de  demissões caiu de 2.683  para 2.524 dispensas. Os dados do CAGED confirmam que o esta retração na oferta de vagas é puxada pelo setor industrial que responde por 54% do corte de vagas (302 em 560 empregos), agravando o cenário de dificuldades que existia em  2012, quando de janeiro a agosto foram fechados  145 empregos (837 contratações 982 demissões) neste segmento da economia.

O número de contratações deste ano (646 e 948 dispensas) é 46% menor que o de 2011, quando as indústrias admitiram nos primeiros oito meses daquele ano 1.208 trabalhadores.  

Balanço de agosto

Sidrolândia registrou  um saldo  de 7 novos empregos com carteira em agosto (284 contratações e 277 dispensas), revertendo a tendência negativa verificada em julho que terminou com o fechamento de 19 empregos (264 contratações e  283 demissões). No seu conjunto a economia de Mato Grosso do Sul registrou no mês de agosto de 2013 o segundo melhor resultado da série do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Os números apontam que no Estado houve alta de 0,53% no número de empregos celetistas. No período foram registrados 2.694 assalariados com carteira assinada. Os setores de atividade econômica que mais contribuíram para este resultado foram a Construção Civil (+1.656 postos), os Serviços (+893 postos) e o Comércio (+704 postos).

Na série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, nos primeiros oito meses de 2013, houve acréscimo de 23.702 postos de trabalho, o que equivale a um aumento de 4,80% no número de empregos. Ainda na série com ajustes, nos últimos 12 meses, o Caged mostrou crescimento de 3,76% no nível de emprego, ou seja, mais 18.778 postos de trabalho.

Na evolução do emprego formal em municípios com mais de 30 mil habitantes, Três Lagoas apresentou crescimento de 2,98% no número de postos com carteira assinada. Em agosto foram admitidos 3.463 trabalhadores, outros 2.322 foram desligados, ficando um saldo de 1.141 novos postos de trabalho criados.

Campo Grande foi à segunda cidade a apresentar números positivos. Na Capital foram 11.188 trabalhadores admitidos, contra 9.670 desligados. O crescimento de 1.518 novos postos de trabalho representou no mês de agosto um acréscimo de 0,75% no número de empregos celetistas. Coxim (0,65%), Paranaíba (0,31%) e Dourados (0,04%) também registraram aumento no número de empregos com carteira assinada no mês de agosto, conforme os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

Números do País

As estatísticas do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) mostram que no mês de agosto foram gerados 127.648 empregos formais no País, um crescimento de 0,32% se comparado ao mês anterior.

No acumulado do ano, o emprego no Brasil cresceu 2,72%, representando o acréscimo de 1.076.511 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses foram gerados 937.518 postos, uma elevação de 2,36%. Se analisarmos o comportamento do emprego de janeiro de 2011 a agosto de 2013, a elevação foi de 10,54%, com abertura de 4.686.790 postos de trabalho no País.

Segundo análise de equipe técnica do MTE, o resultado aponta um maior dinamismo do mercado de trabalho formal. As admissões atingiram 1.845.915 contra 1.718.267, desligamentos. O saldo de 127.648 empregos superou os 100.938 gerados em agosto do ano passado.

O bom desempenho se refletiu em seis dos oito setores da economia, com destaque para o setor de Serviços, que gerou 64.290 mil postos de trabalho, seguido do Comércio, com aumento de 50.070 postos, a Indústria de Transformação, com 11.347 postos e a Construção Civil, com 11.165 novos empregos.