Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Economia

Com altas seguidas, motoristas deixam de abastecer com álcool em MS

O litro do combustível custa em média R$ 2,399 e os motoristas que podem optam pela gasolina

Midiamax

01 de Abril de 2011 - 17:00

Após quarto reajustes consecutivos no preço do etanol e da gasolina nos últimos dois meses, as vendas do álcool estão praticamente paradas em Mato Grosso do Sul. O litro do combustível custa em média R$ 2,399 e os motoristas que podem optam pela gasolina.

Segundo o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes (Sinpetro), a previsão é de que os preços só comecem a cair no final de abril. A alta é resultado da entressafra da cana-de-açúcar e da alta do açúcar no mercado internacional.

Compensando mais produzir açúcar do que o etanol, as usinas diminuem a produção do combustível e os preços sobem. Além disso, a alíquota do ICMS sobre o diesel cobrada pelo Governo Estadual de Mato Grosso do Sul, de 17%, é uma das mais altas do Brasil e encarece a vinda do álcool para MS.

Segundo o gerente de um posto de combustível na capital, Estevan Antônio de Lima, 34 anos, as vendas do álcool caíram mais de 80% com os aumentos. Na última semana, quando o valor real foi repassado para as bombas, ele diz que a redução foi ainda mais acentuada.

Estevan explica que os veículos flex, que aceitam álcool e gasolina, têm melhor desempenho com a gasolina, porque consomem mais com o álcool. Assim, é necessário fazer um calculo para saber qual combustível compensa. Se o álcool ultrapassar 60% do preço da gasolina, ele é inviável.

Atualmente o litro do álcool custa em média R$ 2,399, já o litro da gasolina R$ 2,849. Até quem sempre usou álcool nas bombas de combustível está deixando o etanol. O vendedor Ericsson Faria, de 30 anos, tem carro bicombustível há mais de dois anos e sempre abasteceu com álcool para andar na cidade e gasolina para viajar.

Agora, Ericsson conta que há cerca de três semanas só abastece com gasolina. “O preço do álcool está muito caro, não compensa mais”, destaca.