Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 21 de Outubro de 2021

Economia

Conab vai comprar em leilão dia 13, 100 mil toneladas do milho safrinha de MS

É uma quantidade modesta diante de uma safra superior a 6,9 milhões de toneladas em Mato Grosso do Sul. Sidrolândia deve produzir em torno de 600 mil toneladas.

Redação/Famasul

08 de Agosto de 2013 - 15:53

O Governo Federal vai comprar em leilão no próximo dia 13 ás 9 horas, 100 mil toneladas de milho estocadas em Mato Grosso do Sul. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) se dispõe a pagar R$ 17,46 a saca de 60 quilos, preço acima do praticado mercado atualmente, em torno de R$ 15,35. É uma quantidade modesta diante de uma safra superior a 6,9 milhões de toneladas em Mato Grosso do Sul. Sidrolândia deve produzir em torno de 600 mil toneladas. 

De acordo com o diretor executivo da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja/MS – Sistema Famasul), Lucas Galvan, o escoamento e a comercialização ganhará ritmo com a inclusão do Estado no leilão. “O objetivo é dar agilidade às vendas do milho quando as cotações estão menores que o preço mínimo estabelecido pelo Governo Federal. Além de garantir que o produtor cubra os custos de produção da safra, o leilão evitará problemas de armazenagem ao aumentar a velocidade do escoamento”, afirma Galvan.

Com capacidade estática de armazenagem de 7,72 milhões de toneladas, entre os 851 armazéns, a Aprosoja/MS estima que colheita 6,9 milhões de toneladas do milho safrinha em MS, que somadas ao volume de soja ainda retido no Estado, ocasionará déficit de armazenagem caso não aumente o fluxo de escoamento dos grãos até os portos.

Atualmente, a cotação da saca em Mato Grosso do Sul é de R$ 15,35, valor R$ 2,11 inferior ao estabelecido pela Conab e a Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa). Com o leilão, os agricultores de MS passam a garantir a receita mínima de R$ 17,46 por saca, cifra suficiente para arcar com custos de produção.

A demanda sul-mato-grossense é de que sejam leiloados semanalmente lotes de 250 mil toneladas de milho, até que o Estado atinja a marca de 2 milhões de toneladas comercializadas, quantidade que cumpre com os objetivos dos agricultores e das cooperativas quanto ao escoamento e armazenagem.

A inclusão de Mato Grosso do Sul no leilão Pepro e a garantia do preço mínimo da saca de milho foi requisitada no mês de junho pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), junto com a Aprosoja/MS, Organização das Cooperativas Brasileiras no MS (OCB/MS) e contou com o empenho do Governo do Estado, por meio da Secretária de Estado de Desenvolvimento Agrário e Produção, Tereza Cristina, e do senador Waldemir Moka.