Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 19 de Janeiro de 2021

Economia

Mesmo com pandemia, exportações de MS cresce 11,38%

Correio do Estado

08 de Janeiro de 2021 - 08:19

Foto: Fiems

As exportações de Mato Grosso do Sul no ano passado somaram US$ 5,808 bilhões e ficaram 11,32% superiores ao total apurado em 2019, quando o estado contabilizou US$ 5,217 bilhões. Por outro lado, as importações foram menores, US$ 1,905 bilhão em 2020, sendo US$ 2,403 bilhões no ano anterior.

Os dados pertencem à Carta de Conjuntura nº 62, divulgada nesta quinta-feira (7), pela Secretaria do Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Com isso, o saldo da balança comercial, ou seja, o resultado da diminuição de tudo que foi comprado do exterior com o valor das vendas ficou em US$ 3,902 bilhões, contra US$ 2,814 bilhões apurados em 2019, representando um crescimento do superávit de 38%.

Ainda conforme a Semagro, o bom desempenho das exportações sul-mato-grossenses está relacionado à desvalorização do real diante do dólar, o que torna o produto nacional mais barato nos mercados internacionais.

“Mas também tem a ver com os estímulos à competitividade, como o dinamismo dos portos em Porto Moutinho e Corumbá e também a disponibilidade de crédito para a produção, pois aplicamos 100% dos recursos do FCO no ano passado”, avalia o secretário em exercício da Semagro, Ricardo Senna.

Ainda conforme Senna, as medidas urgentes de biossegurança,  em especial aquelas adotadas nos frigoríficos, também garantiram a redução dos riscos  sanitários que os mercados exigiam e possibilitaram que o ritmo da economia não sofresse impacto significativo devido à pandemia.

“A perspectiva é que Mato Grosso do Sul mantenha esse bom desempenho, pois há previsão de que a economia mundial crescerá em torno de 4% em 2021", pontuou.

Produtos

Produtos como a soja (+ US$ 500 milhões), óleos e gorduras vegetais (+ US$ 220 milhões), açúcar (+ US$ 240 milhões) e carne de aves (+ US$ 25 milhões) contribuíram para esse superávit.

Com relação à soja, o Estado vendeu 1,5 milhão de toneladas a mais em 2020, comparado com o volume exportado do produto em 2019.

E mais que dobrou o volume exportado de óleo e gordura vegetal e animal no mesmo período: de 442 mil toneladas para 1,029 milhão de toneladas.

O principal produto de exportação de Mato Grosso do Sul continua sendo a celulose, tanto em volume quanto em valor. Aumentou o volume exportado (de 4,232 milhões/ton em 2019 para 5,538 milhões/ton em 2020), embora devido à variação para menor no preço da commodity, o valor apurado no ano passado (US$ 1,667 bilhão) tenha ficado menor que o de 2019 (US$ 1,980 bilhão).

O ferro-gusa também apresenta aumento expressivo do valor exportado (+115%) e o item Outros Produtos Alimentícios teve incremento de 216% (US$ 12,78 milhões em 2019 para US$ 40,4 milhões em 2020).

Importações

Em relação ao que foi comprado no exterior o Estado continuou com uma pauta concentrada na importação de gás boliviano, representando 50,48% da pauta de 2020, enquanto no ano anterior esse produto representou 52,63% de todas as importações.

Produtos químicos inorgânicos (14,3%), produtos da metalurgia de metais não ferrosos (6,69%) e tecidos (5,86%) aparecem logo em seguida na pauta das compras externas.

Em termos de destino das exportações houve uma concentração nas exportações para a China, representando 45,46% do valor total das ao exterior no ano passado. Os países com maior aumento na participação foram: Hong Kong (27,92%) e China (21,38%).

A maior queda foi registrada para o Japão, com baixa de 41,6% nas exportações em relação a 2019. A concentração nos dez maiores destinos das exportações passou de 73,19% a 71,98% na comparação entre o apurado em 2020 e 2019.