Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 18 de Setembro de 2021

Economia

Preço do botijão de gás fica mais caro a partir desta segunda-feira e pode chegar a R$ 55,00

O maior valor pode chegar a R$ 64. Atualmente, segundo pesquisa da ANP o preço médio do botijão na Capital é de R$ 50,62, mas varia entre R$ 43 e R$ 58

Flávio Paes/Região News

09 de Setembro de 2013 - 07:25

O preço do botijão de gás vai subir até 10%  nesta segunda-feira nas revendedoras de todo o Estado. A informação foi confirmada por empresários do setor, que estimam que o preço do botijão vai custar, em média, R$ 55 na cidade. O maior valor pode chegar a R$ 64. Atualmente, segundo pesquisa da ANP (Agência Nacional do Petróleo), o preço médio do botijão na Capital é de R$ 50,62, mas varia entre R$ 43 e R$ 58.

No ano passado, o produto teve aumento de 5,4%, já que o custo médio era de R$ 48,46. Segundo os revendedores, setembro é o mês do dissídio coletivo dos funcionários, o que pressiona o preço do botijão. Para aumentar o preço, os empresários também destacam a inflação do óleo diesel, que teve o valor reajustado três vezes pela Petrobras nos últimos meses, e encareceu o preço do frete São Paulo – Mato Grosso do Sul.

O Simpergasc (Sindicato das Micro, Pequenas Empresas e Revendedores Autônomos de GLP, Gás Canalizado e Similares de Mato Grosso do Sul) confirma apenas que o preço deve ser reajustado. “Esse índice de aumento ainda não tenho como confirmar”, informou Neuza Borges, presidente do sindicato.

“É sempre ruim quando aumento o preço, vou tentar segurar um pouco”, lamentou o empresário Mauro José, 32 anos, dono de uma revendedora na Capital e três em Sidrolândia, que espera um reajuste entre 3% e 10%. Mauro lembra também a competição desleal com o mercado clandestino de botijões de gás, que ocuparia 40% de todo o setor na cidade.

Aumento anual – Se confirmado, o reajuste de 10% neste ano vai ser menor que em 2012. Em outubro do ano passado, o preço do botijão de gás teve reajuste de 12%. O menor valor, no ano passado, era R$ 51. Já o mínimo valor praticado oscilou de R$ 40 para R$ 43. Porém, ano passado o produto teve dois reajustes, o primeiro, em fevereiro, ainda maior, de 17,7%. No acumulado, o preço do botijão ano passado cresceu 29,7%.