Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 29 de Novembro de 2021

Economia

Produção industrial brasileira fica estagnada em agosto, mostra IBGE

De acordo com o IBGE, apesar de a produção industrial não ter variado entre julho e agosto, 15 dos 27 ramos analisados apresentaram aumento na produção.

G1

02 de Outubro de 2013 - 14:50

Depois de recuar 2,4% em julho (dado revisado), a produção da indústria brasileira não teve nenhuma variação em agosto, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ).

Na comparação com agosto de 2012, o setor teve queda 1,2%, interrompendo uma sequência de quatro meses de resultados positivos consecutivos nesse tipo de comparação. No índice acumulado de janeiro a agosto, a indústria tem alta de 1,6% – abaixo da marca observada no fechamento do primeiro semestre (2%).

Em 12 meses, a variação positiva é de 0,7%, mantendo, segundo o IBGE, a trajetória ascendente iniciada em dezembro do ano passado (-2,6%) e assinalou o resultado positivo mais elevado desde outubro de 2011 (1,4%).

De acordo com o IBGE, apesar de a produção industrial não ter variado entre julho e agosto, 15 dos 27 ramos analisados apresentaram aumento na produção.  Entre os setores, as principais influências positivas foram registradas por alimentos (2,5%) e veículos automotores (1,7%), com ambos revertendo os recuos assinalados no mês anterior, de 1,3% e 7,6%, respectivamente.

Outras contribuições positivas relevantes vieram de máquinas e equipamentos (de -1,3% para 1,2%), vestuário e acessórios (de -3,8% para 7,2%), edição, impressão e reprodução de gravações (de -1,2% para 2,1%) e metalurgia básica (de -1,7% para 1%).

Entre as 11 atividades que reduziram a produção, o desempenho de maior importância foi verificado na indústria farmacêutica, que recuou 5,6% em agosto e acumula perda de 18,8% nos dois últimos meses.

Houve quedas também nos setores de bebidas (-3,1%), de outros equipamentos de transporte (-3,7%), de perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza (-5,1%) e de fumo (-7,7%).

Entre as categorias de uso, ainda na comparação com julho, bens de capital (2,6%) assinalaram a expansão mais acentuada em agosto, recuperando parte da queda de 4,7% registrada em julho.

Os setores produtores de bens intermediários (0,6%) e de bens de consumo duráveis (0,2%) também mostraram taxas positivas, com o primeiro interrompendo três meses de queda na produção e o segundo voltando a crescer após recuar 7,4% em julho. Bens de consumo semi e não duráveis (-0,3%) assinalaram o segundo resultado negativo consecutivo.

Comparação com 2012

Na comparação com agosto de 2012, 18 das 27 atividades apontaram queda na produção. O IBGE destaca que agosto de 2013 teve um dia útil a menos que igual mês do ano anterior.

Entre as atividades, a farmacêutica (-22%) exerceu a maior influência negativa, pressionada pela redução na produção de aproximadamente 65% dos produtos investigados, com destaque para a menor fabricação de medicamentos.

Outras contribuições negativas relevantes vieram de edição, impressão e reprodução de gravações (-6,5%), fumo (-30,3%), bebidas (-6,6%), alimentos (-1,8%), outros produtos químicos (-2,1%), máquinas para escritório e equipamentos de informática (-8,8%), indústrias extrativas (-2,0%) e perfumaria, sabões, detergentes e produtos de limpeza (-6,2%).

Entre as nove atividades que ampliaram a produção, as de máquinas e equipamentos (9,3%) e refino de petróleo e produção de álcool (7,4%) apontaram as principais influências positivas.