Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 10 de Agosto de 2022

Economia

Proposta da controladora corta 35% dos gastos de pessoal da saúde e educação

Do corte mensal de R$ 1.263.484,74, no valor da folha, recomendado pela controladora, 65% sairiam justamente das duas pastas.

Flávio Paes/Região News

09 de Outubro de 2015 - 10:06

Se o prefeito Ari Basso acatar a proposta de corte dos gastos com pessoal, apresentada pela controladora geral, Ângela Tatiane, Educação e Saúde seriam as duas secretarias mais atingidas, com redução de 35,% dos seus gastos com pessoal, o que levaria a interrupção de serviços essenciais nestas duas áreas .

Do corte mensal de R$ 1.263.484,74, no valor da folha, recomendado pela controladora, 65% sairiam justamente das duas pastas, gerando uma economia de R$ 828 mil. Deste total, a Saúde contribuiria com R$ 720 mil e a educação com aproximadamente R$ 255, 7 mil. O objetivo seria reduzir até dezembro as despesas com pessoal em R$ 3.790.454,23, valor que computa o 13º.

Só assim, mantido o atual comportamento da receita, a Prefeitura fecharia o ano dentro dos limites da Lei de  Responsabilidade Fiscal, que é o comprometimento de até 51% da receita líquida com pessoal. No quadro atual, o comprometimento pode chegar 57% até dezembro. No caso da Saúde, o corte sugerido reduziria a folha de pagamento de R$ 1.610.973,93 para R$ 1.038.722,67.

Isto só seria possível cortando plantões, que teria consequência à interrupção ou precarização ainda maior do atendimento, especialmente no posto central onde há atendimento diário (de segunda a segunda-feira) até a meia-noite. Na educação, o corte de R$ 255 mil na folha (de R$ 720 mil para algo em torno de R$ 464 mil), descontando eventuais excessos que possam existir, colocaria risco o funcionamento de escolas, centros de educação infantil, onde atuam o pessoal contratado.