Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Novembro de 2021

Economia

Queda acentuada do tomate, laranja e batata puxa redução de 1,66% no custo da cesta básica

Entretanto, no acumulado do ano o índice ainda apresenta variação positiva, de 6,97%, enquanto no semestre o aumento é de 2,96%; e nos últimos 12 meses, 12,12%.

Notícias MS

06 de Agosto de 2013 - 14:36

Pesquisa realizada pela Secretaria de Planejamento do Estado (Semac) mostra que em julho o custo da Cesta Básica Alimentar em Campo Grande teve queda de 1,66% em relação ao apurado no mês anterior. Os 15 produtos que compõem a Cesta puderam ser adquiridos, em julho, pelo valor de R$ 289,06. No levantamento feito em junho, os mesmos produtos estavam custando o total de R$ 293,93.

Entretanto, no acumulado do ano o índice ainda apresenta variação positiva, de 6,97%, enquanto no semestre o aumento é de 2,96%; e nos últimos 12 meses, 12,12%.

Dentre os 15 produtos pesquisados, 7 tiveram preços reduzidos, com destaque para o tomate (-17,82%), batata (-10,98%), laranja (-7,42%), margarina (-3,75%), óleo (-3,41%), feijão (-3,40%), e sal (-2,22%). Os demais 8 produtos registraram aumento de preços: açúcar 6,78%, pão francês 2,75%, arroz 2,41%, leite 2,30%, macarrão 2,02%, banana 1,60%, alface 1,44% e carne 1,33%.

Análise

A avaliação dos técnicos responsáveis pela pesquisa, é que o resultado negativo do custo da Cesta Básica Alimentar em julho se deve, portanto, à forte redução nos preços do tomate, da batata e da laranja, que pode ser atribuída ao maior volume de oferta desses produtos no mercado consumidor devido ao período de safra. O tomate, por exemplo, que em meses anteriores chegou a registrar preço de R$ 9,00 o quilo, pôde ser comprado a R$ 2,49 em algumas gôndolas.

Já a alta no preço do açúcar é consequência do fim da promoção ocorrida no mês de junho. Outro produto que registrou elevação nos preços foi o arroz, que, apesar de maior oferta no mercado, sofre influência pelas altas cotações no mercado interno.

Nos últimos seis meses os produtos que apresentaram maiores altas nos preços foram: batata, feijão, macarrão e pão. Em contrapartida, no mesmo período registraram redução nos preços: óleo, arroz, açúcar e margarina.

Confrontando o custo da Cesta Básica Alimentar com a renda mensal, conclui-se que o trabalhador que recebeu um Salário Mínimo de R$ 678,00 no mês de julho comprometeu 42,63% de sua renda bruta com alimentação. No levantamento feito em junho/2013 o custo da Cesta Básica Alimentar comprometia 43,35% do Salário Mínimo.

Por fim, outra análise que pode ser feita é do custo da Cesta Básica Alimentar em horas trabalhadas. No mês de julho/2013 o trabalhador com renda mensal de um Salário Mínimo precisou trabalhar 93 horas e 48 minutos da sua jornada de 220 horas/mês para cobrir os custos da Cesta Básica Alimentar.

Cesta Básica Familiar

A pesquisa realizada em julho/2013 mostra que o custo da Cesta Básica Familiar teve queda de 1,07% em Campo Grande, em relação ao apurado no mês anterior. O custo do conjunto de 44 produtos da Cesta Básica Familiar foi de R$ 1.254,83. Em junho/2013 os mesmos produtos estavam custando o total de R$ 1.268,37.

No acumulado do semestre, a Cesta Básica Familiar apresenta alta de 2,56% em Campo Grande; no ano a variação positiva é de 4,96%; e nos últimos 12 meses, 8,63% de aumento. Dentre os 44 produtos pesquisados, 21 apresentaram alta nos preços, 16 tiveram queda e 7 mantiveram os preços inalterados em julho/2013.

Análise

O resultado de baixa no conjunto dos produtos da Cesta Básica Familiar se deve ao grupo Alimentação (32 produtos), que teve variação negativa de 1,18%, com destaque para o tomate     (-17,82%), cebola (-15,04%), cenoura (-13,62%), mamão (-11,47%), batata (-11,03%), laranja      (-7,46%), margarina (-3,60%), feijão (-3,43%), óleo (-3,41%) e sal (-2,68%). Neste grupo, os produtos que apresentaram alta nos preços foram: açúcar 6,88%, manteiga 2,94%, pão 2,79%, fubá 2,65%, arroz 2,44%, leite 2,30%, macarrão 2,01%, abobrinha 1,95% e farinha de trigo 1,88%. Queijo, couve, mandioca e peixe mantiveram os preços inalterados.

O clima favoreceu a produtividade das lavouras propiciando maior oferta de frutas, verduras e leguminosas no mercado, o que forçou a queda nos preços do varejo. Já o leite continua com o preço em alta por ser período de entressafra, influenciando também os preços dos derivados, como a manteiga.

O grupo Higiene Pessoal (5 produtos) fechou julho/2013 com alta de 0,23% devido à variação nos preços de dois produtos: dentifrício 0,66% e absorvente 0,49%. Mantiveram seus preços inalterados: lâmina de barbear, papel higiênico e sabonete.

O grupo Limpeza Doméstica (7 produtos) apresentou alta de 0,91% com variação positiva em cinco produtos: sabão em pó 2,51%, detergente 1,82%, desinfetante 1,30%, água sanitária 0,56% e cera em pasta 0,41. Neste grupo apresentaram queda nos preços: esponja de aço          (-1,49%) e sabão em barra (-1,27%).

O custo total da Cesta Básica Familiar no mês de julho/2013 comprometeu 37,02% do valor total da renda familiar. Para esse cálculo considera-se a renda familiar de 5 (cinco) salários mínimos (R$ 3.390,00 – três mil, trezentos e noventa reais). No levantamento feito em junho/2013, o custo da Cesta Básica Familiar comprometeu 37,42% do valor total da renda familiar.