Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 1 de Dezembro de 2021

Economia

Saldo entre importações e exportações no ano é o pior desde 1993

O desempenho no acumulado de 2013 é bem diferente do verificado em igual período de 2012, quando houve superavit de US$ 9,927 bilhões.

01 de Agosto de 2013 - 16:19

A diferença entre exportações e importações do Brasil --a chamada balança comercial-- registrou um resultado negativo de US$ 4,989 bilhões de janeiro a julho, informou nesta quinta-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Esse é o pior saldo do comércio exterior do Brasil acumulado nos sete primeiros meses da série histórica, iniciada em 1993. A conta do comércio internacional do país nesse mesmo período não fica negativa desde 1999, quando houve um deficit de US$ 578 milhões.

O desempenho no acumulado de 2013 é bem diferente do verificado em igual período de 2012, quando houve superavit de US$ 9,927 bilhões.

Julho

Somente em julho, a balança comercial teve deficit de US$ 1,897 bilhão. No mês passado, as exportações somaram US$ 20,807 bilhões e as importações, US$ 22,704 bilhões, ainda segundo o ministério.

Em junho, o resultado tinha sido positivo em US$ 2,301 bilhões. Governo mantém previsão de saldo positivo em 2013. Apesar do resultado até julho, o governo mantém a previsão de superavit na balança comercial do ano, segundo a secretária de comércio exterior do Ministério, Tatiana Prazeres.

"Na nossa avaliação está mantida a previsão de um saldo positivo na balança comercial ainda que, bastante inferior ao verificado no ano passado", disse.

Para ela, o déficit de US$ 1,897 bilhão no comércio exterior em julho foi "atípico" e "chamou a atenção".

Excluindo as transações de petróleo e derivados, "temos sim a maior exportação brasileira na sua história no acumulado do ano", frisou, ressaltando o peso desses produtos no comércio internacional do país.

Importação de petróleo pesa

O deficit dos sete primeiros meses do ano é resultado de quatro meses de resultado negativo: janeiro (US$ 4 bilhões), fevereiro (US$ 1,3 bilhões), abril (US$ 995 milhões) e julho (US$ 1,897 bilhão). A balança comercial foi positiva nos outros três meses: março (US$ 162 milhões), maio (US$ 760 milhões), junho (US$ 2,301 bilhões).

Uma das explicações do forte deficit no acumulado do ano é o registro de aproximadamente US$ 4,6 bilhões em importações de petróleo e derivados que ocorreram no fim de 2012, mas que foram registradas apenas em 2013.

Com Reuters e Valor Econômico