Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Julho de 2021

Economia

Volume de serviços em MS recuou 2,6% entre março e abril

Índice vem sofrendo variações positivas e negativas ao longo de 2021.

Campo Grande News

11 de Junho de 2021 - 15:32

Volume de serviços em MS recuou 2,6% entre março e abril
Foto: Campo Grande News

Em abril de 2021, o volume de serviços em Mato Grosso do Sul recuou 2,6% em comparação a março deste ano, segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta sexta-feira (11). O índice vem sofrendo variações positivas e negativas, em dezembro chegaram a superar o patamar registrado antes da pandemia, porém houve quedas em janeiro e fevereiro. No mês de março os índices voltaram a subir, superando novamente o nível pré-pandemia.

Na comparação com abril de 2020, o volume de serviços em Mato Grosso do Sul avançou 20,5%, segunda taxa positiva registrada este ano em comparação com o ano passado e a mais intensa da série histórica, iniciada em janeiro de 2012. Apesar do resultado oscilar mês a mês, no acumulado do ano de 2021, o setor aumentou 10,1%. Em 12 meses, a variação aponta um aumento modesto de 2,3%. Diferente de Mato Grosso do Sul, o volume de serviços cresceu 0,7% na passagem de março para abril no acumulado do país.

“Esse resultado dos serviços prestados às famílias deve ser relativizado, já que em março eles caíram 28,0%, no momento em que houve decretos estaduais e municipais que restringiram o funcionamento de algumas atividades para controle da disseminação do vírus. Isso fez o consumo reduzir significativamente naquele mês, então em abril houve um crescimento maior por conta da base de comparação muito baixa”, analisa o gerente da pesquisa do IBGE, Rodrigo Lobo.

De acordo com o órgão, o resultado do setor em abril foi puxado por apenas duas das cinco atividades investigadas: informação e comunicação (2,5%), impulsionada pelos segmentos de tecnologia da informação e telecomunicações e serviços prestados às famílias (9,3%), liderados, principalmente, pelos restaurantes.