Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 6 de Maio de 2021

Esporte

Com confiança do treinador, Nenén consolida vaga na equipe da Chape

Meia está no clube há oito anos e assume a titularidade em um período de reconstrução da equipe; jogador é peça fundamental em esquema de Mancini

Globo Esporte

04 de Fevereiro de 2017 - 08:00

A Chapecoense ainda fez poucas partidas, mas o esquema utilizado pelo técnico Vagner Mancini começa a ganhar forma. Jogando em um 4-3-3, o treinador optou por ter apenas um homem no meio-campo ofensivo. E o escolhido para a função foi o remanescente Nenén, aniversariante deste sábado - completou 35 anos. 

O meia já veste a camisa da Chape há oito anos, participou de todos os acessos da equipe e poucas vezes esteve tão consolidado na posição. Um dos jogadores mais experientes do elenco, o atleta conta com a confiança do treinador.

O Nenén tem se mostrado um atleta muito importante dentro do sistema de jogo. No jogo contra o Inter de Lages ele soube dosar a hora que o time tinha que correr e a hora que tinha que ter posse de bola. É um atleta de uma certa idade e eu sentei e conversei com ele sobre a sequência de jogos a dificuldade que talvez tenhamos, porque há 7 meses não fazia um jogo de 90 minutos. Em determinados momentos eu sei que vou ter que tirá-lo do time para dar mais intensidade, mas enquanto ele tiver fôlego e estivermos em formação da equipe ele é uma peça importante - disse o técnico Vagner Mancini.

 Responsável por fazer a função que seria do 10, Nenén optou por usar a camisa 30, a mesma que usou em 2016. Coincidentemente, assim como Nenén, na temporada passada o responsável pela armação das jogadas não usava o característico número de Zico e Pelé. Cleber Santana, o eterno capitão e maestro, usava a 88 nas competições nacionais e a 20 na Copa Sul-Americana. A Chapecoense ainda tem outros cinco jogadores para a posição, mas nenhum deles escolheu a camisa 10 para o campeonato Catarinense.

- Ele (Nenén) é o único meia cerebral. Os outros são meias de velocidade, mais intensos. É uma quebra, já que tenho Niltinho e Rossi pelos lados com muita velocidade eu tenho que ter alguém que pise na bola, que sinta o jogo, que faça uma leitura interessante da partida - afirma o treinador.

A falta de jogadores com características como as de Nenén faz a Chapecoense ficar atenta ao mercado. Pelo menos é o que explicou o técnico Vagner Mancini em entrevista coletiva no dia 14 de janeiro. O treinador revelou a necessidade de encontrar uma peça com estas características.

-Hoje nós achamos que a gente precisa de um meia com uma maneira de jogar um pouco diferente do que temos. Isso é para um segundo plano - explicou o técnico da Chape.

Nenén, muitas vezes contestado pela torcida, não assumiu apenas um lugar de liderança dentro do vestiário, por ser um dos únicos remanescentes de 2016, mas também uma posição de destaque dentro de campo. Inspirado neste início de estadual, foi nos pés do meia que começou a jogada de dois dos três gols da equipe. Nesta noite, contra o Almirante Barroso, o jogador deve mais uma vez ser titular da equipe: faz por merecer.

Oposto          

Em situação totalmente oposta à Chape, o Almirante Barroso está na lanterna do Campeonato Catarinense. Na terceira rodada, a equipe busca a primeira vitória na competição. A missão é difícil: vencer a Chapecoense na Arena Condá. Mas a equipe conta com a experiência de Nei e o faro de gol de Schwenk para tentar um resultado positivo em Chapecó.

Chapecoense x Almirante Barroso - Campeonato Catarinense, 3ª rodada

Data: 04/02 (sábado)
Horário: 19h30 (de Brasília)
Local: Arena Condá, em Chapecó
Arbitragem: Cinesio Mendes Junior, auxiliado por Diego Leonel Félix (CBF) e Maycon Antonio Machado.
Transmissão: Premier Futebol Clube
Tempo Real: GloboEsporte.com

Chapecoense: Elias, João Pedro, Douglas Grolli, Fabricio Bruno e Reinaldo; Amaral, Andrei Girotto e Nenén; Osman, Rossi e Wellington Paulista. Técnico: Vágner Mancini

Almirante Barroso: Rodolfo; Nei, Robenval, Téssio e Adriano Chuva; Rodrigo Couto, Van Basty e Anderson Safira; Rodolfo Ferreira, Jefferson Paulista e Schwenk. Técnico: Renê Marques