Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 26 de Setembro de 2020

Policial

Dupla morta durante confronto usava submetralhadora de preso da Máxima

Dupla foi morta durante confronto com policiais do Choque na BR-060.

Campo Grande News

10 de Novembro de 2019 - 18:33

Foram identificados como Valdecir Valchak, 31 anos, e Dilermando César Pereira de Almeida, 24 anos, os dois assaltantes mortos durante confronto com policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar na madrugada deste domingo (10), na BR-060, entre o distrito de Indubrasil e a cidade de Rochedo. A operação também chegou à casa de um homem apontado como membro da facção criminosa PCC.

Conforme informações policiais, eles são de uma quadrilha que realizou assaltos em comércios da Capital nas últimas semanas e estava sendo procurada. Ontem (9), por volta das 23h30, uma equipe do Choque fazia patrulhamento no macro-anel que liga as saídas de Sidrolândia e Aquidauana, quando localizaram um veículo Volkswagen Polo, usada pelo grupo nos crimes.

Os militares deram ordem de parada ao veículo, mas o motorista fugiu. Pouco tempo depois, o condutor perdeu o controle da direção do carro e bateu no meio-fio na altura do quilômetro 352.

Segundo a polícia, Valdecir e Dilermando desceram do carro atirando contra os militares. Houve troca de tiros e os dois suspeitos acabaram baleados. Eles foram socorridos com vida e encaminhados para a Santa Casa, mas não resistiram aos ferimentos e morreram no hospital.

Dentro do Polo, os policiais encontraram uma submetralhadora UZI, uma pistola 7.65, colete à prova de balas, carregadores, munições, um chapéu de palha e dois bonés, além de uma papel com dois endereços.

No primeiro, no bairro Portal Caiobá, seria a casa de Antônio Julio da Silva, conhecido como ''Andorinha'' e ''Velho do PCC''. O homem, foragido do sistema prisional, não foi encontrado na casa.

No segundo endereço, na bairro Novos Estados, os policiais encontraram Vagner Torrico Ramos. Aos militares, o homem disse que conhecia a dupla morta no confronto e que era responsável por guardar na residência as armas usadas nos assaltos.

À polícia, Vagner também revelou que o armamento pertencia a um preso que cumpre pena no Presídio de Segurança Máxima da Capital. Antes de ser morta, a dupla havia passado na casa do suspeito para pegar as armas encontradas no carro. Ele foi preso e encaminhado à Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Centro.

A polícia acredita que mais pessoas estejam envolvidas nos assaltos e que a quadrilha tenha ligação com presos da Máxima.

Crimes - O grupo é suspeito de cometer pelo menos três assaltos a comércios da Capital nas últimas semanas. Os alvos foram um açougue na Rua das Bandeiras, na Vila Carvalho, um mercado no Jardim Inápolis e uma farmácia na Rua Amazonas, na Vila Gomes. Os assaltos foram registrados por câmeras de segurança.